Mutações nos genes que protegem contra o câncer de mama podem ser mais importantes do que se pensava