Além do aumento das temperaturas, a chegada do verão também impulsiona o crescimento das vendas do famoso açaí na tigela, smoothie da fruta amazônica com outras frutas ou combinações diversas. Selecionando os ingredientes que o compõem, é possível obter do açaí certos benefícios protetores que justificam seu rótulo de “superalimento”. Dois novos estudos publicados apontam alguns dos benefícios já pesquisados do açaí, mas abrangendo agora um pouco mais o entendimento do potencial efeito prebiótico do fruto, bem como de seus flavonoides –as antocianinas, nesse caso. Pigmentos de cor azul escura encontrados em certas frutas como açaí, uva e mirtilo, os flavonoides atuam como antioxidantes e são relacionados a reduções no risco de condições como o câncer e doenças cardiovasculares. Já os prebióticos são componentes dos alimentos que não são digeríveis e que estimulam ou alimentam seletivamente o crescimento e atividade de bactérias benéficas de todo o trato gastrointestina, fundamentais para a saúde geral. Benefícios das antocianinas do açaí versus saúde intestinal Realizado por pesquisadores brasileiros do departamento de biociência da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), o primeiro estudo abordou mais especificamente a biodisponibilidade das antocianinas.1 Os pesquisadores executaram uma revisão sistemática da literatura científica e encontraram a informação de que a microbiota intestinal é crucial para a biodisponibilidade das antocianinas. Isto significa que, para que os compostos saudáveis sejam bem absorvidos ou disponíveis para o seu uso ou armazenamento pelo organismo, precisamos cuidar da microbiota (comunidades de bactérias) que habita o nosso trato gastrointestinal. Ou seja: para obter os benefícios das antocianinas, é necessário que a microbiota intestinal do organismo esteja em dia. Além disso, o estudo, que foi publicado no Journal of Food Composition and Analysis, ressalta também a importância de alimentos fermentados (pró-bactérias saudáveis) e adiciona mais um benefício que as bactérias do trato gastrointestinal nos proporcionam: um melhor reaproveitamento das antocianinas pelo nosso organismo. Açaí anti-idade e anticâncer: as antocianinas como prebióticos Já o segundo estudo, realizado por cientistas da Universidade de Reading e Universidade de Roehampton, ambas no Reino Unido, aponta que a riqueza do conteúdo de antocianina do açaí pode reduzir doenças relacionadas à idade e combater um ambiente possivelmente pró-câncer por oferecer proteção ao material genético ou DNA.2 Em um modelo simulado do trato gastrointestinal, os cientistas do estudo preliminar publicado em Food Chemistry descobriram que uma porcentagem significante desses polifenois (antocianinas) sobrevive bem ao processo de digestão, chegando intacta no cólon e podendo assim exercer seus efeitos antigenotóxicos. Adicionalmente, esses compostos estimulam o crescimento e atividades de uma microbiota benéfica, como as bactérias Bifidobacterium e Lactobacillus, acima de grupos não tão desejáveis como as Clostridium histolyticum – beneficiando o cólon com suas propriedades prebióticas. Estudos randomizados e controlados (in vivo) são aguardados para uma melhor compreensão sobre os mecanismos de frutas ricas em antocianinas, como o açaí, e seus consequentes benefícios para a saúde. No entanto, tomados em conjunto, os achados dos estudos aqui resumidos possivelmente se encontram na interação das antocianinas com a microbiota. Indo mais além, é possível concluir ainda que, entre as potentes antocianinas do açaí e as fundamentais comunidades que residem no trato gastrointestinal, parece existir uma interdependência para a otimização do trabalho de cada um. Assim como os adicionais do smoothie do açaí, que o tornam ainda mais delicioso, seus benefícios provavelmente estão interligados entre si, aumentando a qualidade de vida de quem o consome.   Fonte: Essential Nutrition. https://doi.org/10.1016/j.foodchem.2017.04.164   1- Braga ARC, et al. Bioavailability of anthocyanins: Gaps in knowledge, challenges and future research. Journal of Food Composition and Analysis, 2017. Doi:10.1016 / j.jfca.2017.07.031 2- Alqurashia RM, et al. In vitro approaches to assess the effects of açai (Euterpe oleracea) digestion on polyphenol availability and the subsequent impact on the faecal microbiota. Food Chemistry, 2017. Doi:10.1016/j.foodchem.2017.04.164