Consumir um abacate por dia pode levar a uma melhor função cognitiva em adultos mais velhos saudáveis, graças ao aumento dos níveis de luteína no cérebro e nos olhos, de acordo com uma nova pesquisa publicada em Nutrients. A pesquisa rastreou como 40 adultos saudáveis com idade igual ou superior a 50 anos que comeram um abacate por dia durante seis meses experimentaram um aumento de 25% nos níveis de luteína em seus olhos e melhoraram significativamente a memória de trabalho e as habilidades de resolução de problemas.

 

Aumento dos níveis de luteína

A luteína é um carotenoide, ou pigmento, comumente encontrado em frutas e vegetais que se acumula no sangue, nos olhos e no cérebro e pode atuar como um agente anti-inflamatório e antioxidante. Enquanto os participantes do estudo comiam um abacate médio como parte de sua dieta diária, os pesquisadores monitoraram o crescimento gradual da quantidade de luteína em seus olhos e a melhora progressiva das habilidades de cognição, medidos por testes destinados a avaliar a memória, velocidade de processamento e níveis de atenção. Em contraste, o grupo de controle, que não comeu abacate, experimentou menos melhorias na saúde cognitiva durante o período de estudo.

 

A pesquisa, “Avocado Consumption Increases Macular Pigment Density in Older Adults: A Randomized, Controlled Trial” (tradução livre, O consumo de abacate aumenta a densidade do pigmento macular em adultos mais velhos: um ensaio controlado e randomizado), foi realizada na Universidade Tufts e apoiada pela Hass Avocado Board (HAB), um grupo estabelecido em 2002 para promover o consumo de abacates Hass* nos Estados Unidos.

 

As descobertas do estudo são baseadas no consumo de um abacate inteiro por dia (369mcg de luteína). Pesquisas adicionais são necessárias para determinar se os resultados podem ser replicados com o consumo de uma porção menor, como um terço de um abacate por dia (136mcg de luteína). A dieta de controle incluiu uma batata média ou uma xícara de grão-de-bico no lugar do abacate, porque proporcionavam um nível similar de calorias, mas uma quantidade insignificante de luteína e gorduras monoinsaturadas, de acordo com o comunicado de imprensa da HAB.

 

O estudo também observou que o grupo de controle, com o tempo, teve um aumento significativo em uma das medidas cognitivas. “Nós especulamos que isso pode ser atribuído a um efeito de aprendizagem, demonstrando a importância de incluir um grupo de controle em testes de intervenção”, observa o estudo. “Além disso, é provável que os fitonutrientes encontrados no grão-de-bico e batatas possam melhorar a função cognitiva.”

 

“Os resultados deste estudo sugerem que as gorduras monoinsaturadas, fibras, luteína e outros bioativos tornam os abacates particularmente efetivos para enriquecer os níveis de luteína neural, o que pode proporcionar benefícios não só para a saúde dos olhos, mas para a saúde do cérebro”, diz Elizabeth Johnson, Ph. D., investigadora principal do estudo do Centro de Pesquisa de Nutrição Humana no envelhecimento do USDA, Jean Mayer, na Universidade Tufts. “Os níveis de luteína no olho mais do que duplicaram no grupo que consumiu abacate, em comparação com um suplemento, como evidenciado por pesquisa publicada anteriormente. Assim, uma dieta equilibrada que inclui abacates frescos pode ser uma estratégia eficaz para a saúde cognitiva.”

 

“Embora as conclusões sejam de um único estudo que não pode ser generalizado para todas as populações, os seus resultados ajudam a reforçar e avançar o conjunto de pesquisas publicadas sobre os benefícios do abacate e seu papel na vida saudável diária”, diz Nikki Ford, Ph.D., diretora de nutrição da Hass Avocado Board. “Os abacates são ricos em nutrientes, não contêm colesterol, mas sim gorduras naturalmente boas, e representam uma maneira deliciosa e fácil de adicionar mais frutas e vegetais nas dietas.”

 

 

*N.daT.: Hass (Persea americana ‘Hass’) é uma variedade híbrida do abacate primeiramente cultivada pelo horticultor amador Rudolph Hass na Califórnia. A variedade apresenta casca rugosa, polpa de tom verde-amarelo, é a mais comercializada no mundo pela sua facilidade de cultivo e comercialização em várias regiões, e, como os outros abacates, é rica em gorduras saudáveis.