“Dentre 20 casos de câncer de testículo, nós podemos agora curar 19, mas um número significativo dos sobreviventes tem baixo nível de testosterona, e isso pode afetar outros aspectos de sua saúde. Com base neste estudo e outros, os clínicos devem perguntar aos sobreviventes de câncer de testículo se eles têm sintomas de baixa testosterona e devem observar sinais de problemas de saúde associados”, afirmou o Dr. Timothy D. Gilligan, especialista da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO).

Em um grande estudo, 38% dos 491 sobreviventes de câncer de testículo apresentaram baixos níveis de testosterona, conhecidos como hipogonadismo. Em comparação com sobreviventes com níveis normais de testosterona, os sobreviventes com baixa testosterona apresentaram maior probabilidade de ter uma série de problemas de saúde crônicos, incluindo pressão alta, diabetes, disfunção erétil e ansiedade ou depressão.

 

O estudo foi apresentado na reunião anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica 2017 (ASCO).

 

“Como o câncer de testículo ocorre em uma idade jovem e é altamente curável, muitos sobreviventes podem viver mais de cinco décadas”, disse o principal autor do estudo, Mohammad Issam Abu Zaid, MBBS, professor assistente de medicina na Faculdade de Medicina da Universidade de Indiana em Indianápolis, Indiana. “Nossas descobertas ressaltam a necessidade de os clínicos avaliarem esses pacientes para sinais físicos ou sintomas de hipogonadismo e medir seus níveis de testosterona.”

 

O baixo nível de testosterona pode estar presente no momento de um diagnóstico de câncer de testículo, ou esta baixa pode se desenvolver como um efeito colateral da cirurgia ou da quimioterapia. Embora se saiba que a baixa testosterona ocorre em uma proporção significativa desses pacientes, este é um dos primeiros estudos a examinar sua relação com complicações de saúde no longo prazo em pacientes norte-americanos.

 

Sobre o Estudo:

 

Esta análise vem dos primeiros 491 pacientes matriculados no The Platinum Study, que pretende ser o maior estudo de sobreviventes de câncer de testículo em todo o mundo, com mais de 1.600 participantes já matriculados e ainda ativamente recrutando. Todos os pacientes receberam quimioterapia e tinham menos de 55 anos quando foram diagnosticados com o câncer. A idade mediana na avaliação clínica foi de 38 anos.

 

O objetivo do Platinum Study é acompanhar a saúde ao longo da vida de homens que receberam quimioterapia com cisplatina para câncer de testículo. Os pesquisadores coletam informações de saúde através de questionários abrangentes e amostras de sangue, bem como medidas básicas, como pressão arterial e teste auditivo. O estudo também visa identificar genes que possam aumentar a chance de desenvolver problemas de saúde em longo prazo, como danos nos nervos e perda auditiva. O estudo é financiado pelo Instituto Nacional de Câncer dos Estados Unidos.

 

Principais conclusões:

 

Entre os 491 sobreviventes, 38% tinham baixo nível de testosterona ou estavam em terapia de reposição de testosterona. O excesso de peso ou obesidade foi associado a uma maior chance de ter baixa testosterona, como também uma idade mais avançada. Os pesquisadores também encontraram uma anormalidade genética (no gene da globulina de ligação ao hormônio sexual) que parece predispor alguns homens à baixa testosterona, mas isso precisa ser confirmado em futuros estudos. Os sobreviventes que faziam atividade física vigorosa pareciam ter níveis mais altos de testosterona. Em comparação com os sobreviventes com testosterona normal, os com baixo nível de testosterona eram mais propensos a tomar remédios para:

 

– Colesterol alto (20% vs. 6%)

 

– Pressão arterial elevada (19% vs. 11%)

 

– Disfunção eréctil (20% vs. 12%)

 

– Diabetes (6% vs. 3%)

 

– Ansiedade ou depressão (15% vs. 10%)

 

“Alguns desses problemas de saúde foram previamente ligados a baixos níveis de testosterona entre os homens na população em geral e em alguns estudos de sobreviventes de câncer de testículo, mas este estudo é um dos mais abrangentes até a data – estamos analisando 15 condições de saúde diferentes”, disse o Dr. Abu Zaid.

 

Próximos passos:

 

Os pesquisadores continuarão a acompanhar este grupo de sobreviventes e ampliarão a análise para toda a coorte de 1.600 homens matriculados no estudo até à data. Eles também planejam eventualmente inscrever um grupo de sobreviventes que foram curados apenas com cirurgia, analisar os efeitos da cirurgia versus quimioterapia no desenvolvimento de resultados adversos à saúde e examinar os níveis de testosterona.

 

 

Traduzido por Essentia Pharma

 

Fonte:https://www.sciencedaily.com/releases/2017/06/170602155240.htm

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”