Se você ainda não está familiarizado com os probióticos, eles são culturas de “bactérias boas” cuja função saudável ressoa com as bactérias encontradas naturalmente em nosso intestino. O termo é derivado do latim e grego, significando “em prol da vida” e, muitas vezes, se refere aos suplementos dietéticos de bactérias boas que podem ser encontrados em formas de cápsula ou em pó. Quando se refere a alimentos, estes estão mais concentrados nos alimentos fermentados como o iogurte ou outros leites fermentados, kefir, coalhada, picles e chucrute.

 

Como todos os seres vivos, os probióticos consomem e usam recursos, excretam resíduos, reproduzem e eventualmente morrem. A sua suplementação, portanto, mantém um nível salutar de microrganismos em nosso intestino, restaurando os níveis adequados da flora intestinal, onde ocorre em primeira mão a prevenção e inibição de infecções e inflamações causadas por agentes patogênicos prejudiciais. A diversidade das cepas é salutar e os gêneros mais conhecidos são: Lactobacillus e Bifidobacterium.

 

Entre as pessoas que têm o hábito de suplementar com probióticos, existe uma pergunta frequente: Qual o melhor horário?

 

Ao avaliar a capacidade das cepas Lactobacillus rhamnosus HN001 e Bifidobacterium longum BB536 de colonizar o ambiente intestinal de indivíduos saudáveis e modificar a composição da microbiota intestinal, um estudo italiano publicado em World Journal of Gastroenterology encontrou que a hora da sua ingestão não influenciou na colonização. “De fato, ambas as cepas probióticas foram capazes de colonizar o ambiente intestinal independentemente da ingestão oral ter ocorrido pré ou pós-prandial”, escreveram os pesquisadores.

 

A palavra prandial é utilizada em relação à refeição, antes ou depois da refeição, pré ou pós-prandial, respectivamente. No estudo italiano, os voluntários tomaram o probiótico ou 30 minutos antes do café da manhã ou 30 minutos depois do café da manhã, durante 1 mês.

 

Enquanto que o horário da suplementação não mostrou alteração dos resultados, os pesquisadores destacaram o impacto positivo da suplementação na microbiota intestinal, uma vez que causou a redução de numerosos microrganismos patogênicos (Firmicutes) e o aumento da quantidade de algumas bactérias benéficas até o final do estudo.

 

Traduzido por Essentia Pharma

 

Referência: Toscano M, et al. Effect of Lactobacillus rhamnosus HN001 and Bifidobacterium longum BB536 on the healthy gut microbiota compostition at phyla and species level: A preliminar study. World J Gastroenterol. 2017. Doi:10.3748/wjg.v23.i15.2696

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”