É bem conhecido que seguir um estilo de vida saudável – não fumar, evitar excesso de peso e fazer exercícios regulares – pode reduzir o risco de doença cardíaca. Mas, e as pessoas que herdaram variantes genéticas que as predispõem ao risco?

 

Um estudo conduzido por investigadores do Hospital Geral de Massachusetts (MGH) descobriu que, mesmo entre aqueles com alto risco genético, seguir um estilo de vida saudável pode reduzir pela metade a probabilidade de um ataque cardíaco ou evento semelhante. Seu relatório está sendo publicado on-line no New England Journal of Medicine e será apresentado na American Heart Association Scientific Sessions.

 

“A mensagem básica do nosso estudo é que o DNA não significa um destino inevitável”, diz Sekar Kathiresan, MD, diretor do Centro de Pesquisa Genética Humana do MGH, autor sênior do relatório. “Muitos indivíduos – médicos e membros do público em geral – estavam considerando o risco genético como inevitável, mas isto não parece ser o caso  para um ataque cardíaco.”

 

Para investigar se um estilo de vida saudável pode mitigar o risco genético, a equipe de pesquisa multi-institucional analisou dados genéticos e clínicos de mais de 55.000 participantes em quatro estudos de larga escala. Três deles – o Estudo de Risco de Aterosclerose em Comunidades, o Estudo de Saúde do Genoma das Mulheres e o Estudo de Dieta e Câncer de Malmö – são estudos prospectivos que têm acompanhado os participantes por até 20 anos. O quarto, o Estudo BioImage, avaliou uma variedade de fatores de risco, incluindo a presença de placas ateroscleróticas nas artérias coronárias quando os participantes se juntaram ao estudo.

 

A cada participante da análise atual foi atribuído uma pontuação de risco genético, com base em se apresentavam qualquer uma das 50 variantes de genes que estudos anteriores associaram com risco elevado de ataque cardíaco. Quando os participantes entraram em cada estudo, os pesquisadores usaram quatro fatores de estilo de vida definidos pela AHA (não fumar; ausência de ob cedimentos para desbloquear artérias coronárias ou morte cardíaca súbita. Entre os participantes do estudo BioImage, os fatores genéticos e de estilo de vida foram comparados com a extensão da doença aterosclerótica nas artérias coronárias no início do estudo.

 

Em todos os três estudos prospectivos, uma maior pontuação de risco genético aumentou significativamente a incidência de eventos coronarianos – tanto quanto 90 por cento nas pessoas com maior risco. Embora os fatores de risco conhecidos, como histórico familiar e colesterol LDL elevado também estivessem associados a uma pontuação de risco genético elevado, o risco genético era o contribuinte mais poderoso para o risco cardíaco.

 

Do mesmo modo, cada fator de estilo de vida saudável reduziu o risco e o grupo de estilo de vida desfavorável também apresentou níveis mais altos de hipertensão, diabetes e outros fatores de risco conhecidos ao ingressar nos estudos.

 

Dentro de cada categoria de risco genético, a presença de fatores de estilo de vida alterou significativamente o risco de eventos coronarianos de tal forma que ao seguir um estilo de vida favorável mostrou redução da incidência em 50 por cento naqueles com os maiores escores de risco genético. Entre os participantes do estudo BioImage, fatores genéticos e de estilo de vida foram associados independentemente com níveis de placa contendo cálcio nas artérias coronárias, e fatores de estilo de vida saudáveis ​​foram associados com placa menos extensa dentro de cada grupo de risco genético.

 

“Algumas pessoas podem sentir que não conseguem escapar de um risco geneticamente determinado de ataque cardíaco, mas nossas descobertas indicam que seguir um estilo de vida saudável pode reduzir poderosamente este risco”, diz Kathiresan, diretor da Iniciativa de Doenças Cardiovasculares no Instituto Broad do MIT e Harvard, e professor associado de medicina na Escola Médica de Harvard. “Agora precisamos investigar se fatores específicos de estilo de vida têm impactos mais fortes e conduzir estudos em populações mais diversas, uma vez que a maioria dos participantes nesses estudos são brancos.”

 

 

Fonte: http://www.massgeneral.org/about/pressrelease.aspx?id=2012

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”