O poder antioxidante da astaxantina

A astaxantina, um pigmento encontrado no salmão, camarão e outros alimentos, é um dos mais potentes antioxidantes entre os carotenoides. A investigação científica sobre suas propriedades associadas com a saúde é bastante recente, expondo uma série de benefícios impressionantes. Até agora, este poderoso carotenoide tem sido associado a efeitos protetores contra fatores de risco da doença cardiovascular, problemas oculares e uma série de outras condições.
Leia mais

Mirtilo pode oferecer benefícios para o transtorno de estresse pós-traumático

Para muitas pessoas que sofrem de transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), os tratamentos médicos disponíveis oferecem apenas um alívio limitado. Em uma série de estudos realizados em ratos, os pesquisadores descobriram que o consumo de mirtilos pode ajudar a reduzir os controladores genéticos e bioquímicos por trás da depressão e tendências suicidas associadas com o transtorno.
Leia mais

Maior capacidade antioxidante na dieta relacionada com câncer de próstata menos agressivo

A revista Nutrition and Cancer publicou um relatório em 04 de fevereiro de 2016 que revela uma associação entre o aumento da capacidade antioxidante total (CAT) na dieta de pacientes com câncer de próstata com resultados ou sintomas menos agressivos. A CAT quantifica a presença na dieta de compostos que diminuem a formação de radicais livres potencialmente prejudiciais. "Para o nosso conhecimento, este é o primeiro estudo sobre a agressividade do câncer de próstata e CAT em afro-americanos e europeus-americanos”, autores Terrence M. Vance e colegas, da Universidade de Connecticut, anunciaram.   O Dr. Vance e associados analisaram dados de 855 afro-americanos e 945 norte-americanos de ascendência europeia inscritos no projeto de câncer de próstata dos estados de Louisiana e Carolina do Norte, que incluiu homens diagnosticados com o câncer desde 1o de julho de 2004. As respostas aos questionários dietéticos foram analisadas quanto à ingestão de antioxidantes através de alimentos e suplementos. A CAT foi calculada a partir da capacidade antioxidante da vitamina C equivalente de carotenoides, vitaminas C e E, flavonoides, isoflavonas e proantocianidinas, e ajustada para o consumo de energia. Os cânceres de próstata foram classificados como tendo agressividade baixa, intermediária ou alta, dependendo do estágio clínico, escore de Gleason e os níveis de antígeno prostático específico (PSA) no momento do diagnóstico.   A alta capacidade antioxidante total a partir de dieta e suplementos foi associada com um risco 69% inferior de câncer de próstata altamente agressivo entre todos os indivíduos. Os afro-americanos, cujos valores de CAT estavam entre os mais altos, apresentaram um risco 72% inferior de câncer agressivo, em comparação com aqueles cujos valores eram mais baixos. Para os americanos-europeus, o risco daqueles no grupo de CAT mais elevada foi 64% mais baixo.   "Homens com câncer de próstata foram encontrados como tendo baixos níveis sanguíneos de antioxidantes, diminuição da atividade de enzimas antioxidantes endógenas e aumento dos níveis de peroxidação lipídica", Dr. Vance e colegas observam. "Estes resultados poderiam indicar maior estresse oxidativo, resultando em esgotamento de antioxidantes, ou menores níveis de antioxidantes, resultando em aumento do estresse oxidativo e da peroxidação lipídica."   A revista Nutrition and Cancer publicou um relatório em 04 de fevereiro de 2016 que revela uma associação entre o aumento da capacidade antioxidante total (CAT) na dieta de pacientes com câncer de próstata com resultados ou sintomas menos agressivos. A CAT quantifica a presença na dieta de compostos que diminuem a formação de radicais livres potencialmente prejudiciais. "Para o nosso conhecimento, este é o primeiro estudo sobre a agressividade do câncer de próstata e CAT em afro-americanos e europeus-americanos”, autores Terrence M. Vance e colegas, da Universidade de Connecticut, anunciaram.   O Dr. Vance e associados analisaram dados de 855 afro-americanos e 945 norte-americanos de ascendência europeia inscritos no projeto de câncer de próstata dos estados de Louisiana e Carolina do Norte, que incluiu homens diagnosticados com o câncer desde 1o de julho de 2004. As respostas aos questionários dietéticos foram analisadas quanto à ingestão de antioxidantes através de alimentos e suplementos. A CAT foi calculada a partir da capacidade antioxidante da vitamina C equivalente de carotenoides, vitaminas C e E, flavonoides, isoflavonas e proantocianidinas, e ajustada para o consumo de energia. Os cânceres de próstata foram classificados como tendo agressividade baixa, intermediária ou alta, dependendo do estágio clínico, escore de Gleason e os níveis de antígeno prostático específico (PSA) no momento do diagnóstico.   A alta capacidade antioxidante total a partir de dieta e suplementos foi associada com um risco 69% inferior de câncer de próstata altamente agressivo entre todos os indivíduos. Os afro-americanos, cujos valores de CAT estavam entre os mais altos, apresentaram um risco 72% inferior de câncer agressivo, em comparação com aqueles cujos valores eram mais baixos. Para os americanos-europeus, o risco daqueles no grupo de CAT mais elevada foi 64% mais baixo.   "Homens com câncer de próstata foram encontrados como tendo baixos níveis sanguíneos de antioxidantes, diminuição da atividade de enzimas antioxidantes endógenas e aumento dos níveis de peroxidação lipídica", Dr. Vance e colegas observam. "Estes resultados poderiam indicar maior estresse oxidativo, resultando em esgotamento de antioxidantes, ou menores níveis de antioxidantes, resultando em aumento do estresse oxidativo e da peroxidação lipídica."   Eles concluem que "mais estudos em diferentes populações são necessários para confirmar estes resultados e determinar se componentes da dieta afetam o desenvolvimento e a progressão do câncer de próstata".  
Fonte:http://www.lifeextension.com/newsletter/2016/3/Greater-dietary-antioxidant-capacity-linked-with-less-aggressive-prostate-cancers/page-01?utm_source=eNewsletter&utm_medium=email&utm_content=Button&utm_campaign=EZX600E
  “As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”   
Leia mais

Os antioxidantes na proteção da função imunológica

Um artigo publicado online em 6 de Agosto, 2015, em Cell Reports descreve o papel dos antioxidantes em retardar o envelhecimento do timo, uma glândula responsável pela produção de células imunes conhecidas como linfócitos T. O timo alcança seu tamanho máximo na adolescência e, posteriormente, começa a atrofiar. A diminuição da produção de células T é compensada pela sua existente duplicação, no entanto, esta acaba por resultar em dominantes células T de memória e uma redução na capacidade do sistema imune para responder aos novos agentes patogênicos. "O timo começa a se atrofiar rapidamente no início da idade adulta, perdendo, simultaneamente, a sua função", explicou o pesquisador Howard T. Petrie, que está atualmente afiliado com a University of Texas Health Science Center, em San Antonio. "Este novo estudo mostra, pela primeira vez, um mecanismo já suspeito anteriormente da conexão entre a função imunológica normal e os antioxidantes."
Leia mais