A deficiência de vitamina D não é apenas prejudicial para a saúde física, ela também pode afetar a saúde mental, de acordo com uma equipe de pesquisadores que encontraram uma ligação entre depressão sazonal (SAD), em inglês Seasonal Affective Disorder , e a falta de luz solar.

“Ao invés de ser um dos muitos fatores, a vitamina D pode ter um papel regulador no desenvolvimento da SAD”, afirmou Alan Stewart, da University of Georgia College of Education.

Uma parceria internacional de pesquisa entre UGA, Universidade de Pittsburgh e da Universidade de Tecnologia de Queensland, na Austrália relatou a descoberta na edição da revista Medical Hypotheses.

Stewart e Michael Kimlin da Escola de Saúde Pública e Assistência Social da QUT realizaram uma revisão de mais de 100 artigos relevantes e encontraram uma relação entre a vitamina D e a depressão sazonal.

“O transtorno afetivo sazonal é acreditado afetar até 10 por cento da população, dependendo da localização geográfica, e é um tipo de depressão relacionada às mudanças na estação”, disse Stewart, professor associado no departamento de serviços de aconselhamento e de desenvolvimento humano.

“As pessoas com SAD têm os mesmos sintomas anualmente, começando no outono e continuando até os meses de inverno.”

Stewart relatou que, com base em investigações da equipe, era provável que a vitamina D fosse um fator que contribuísse para a depressão sazonal.

“Acreditamos que há várias razões para isso, inclusive porque os níveis de vitamina D flutuam no corpo sazonalmente, em relação direta à luz solar sazonalmente disponível”, continuou ele: “Por exemplo, os estudos mostram que há um desfasamento de cerca de oito semanas entre o pico da intensidade de radiação ultravioleta e o início da SAD, e isso se correlaciona com o tempo que leva para que a radiação UV seja processada pelo corpo em vitamina D”.

A vitamina D, de acordo com os investigadores,  também está envolvida na síntese de serotonina e dopamina no cérebro, ambas associadas à depressão.

“Existem evidências de que os baixos níveis de dopamina e serotonina estão ligados à depressão, por isso, é lógico que possa haver uma relação entre os baixos níveis de vitamina D e os sintomas depressivos”, reportou Kimlin, professor de câncer, Queensland, do Cancer Prevention Research.

“Estudos também descobriram que pacientes deprimidos geralmente tinham níveis mais baixos de vitamina D.”

Os níveis de vitamina D variam de acordo com a pigmentação da pele. Pessoas com pele escura, muitas vezes registram níveis mais baixos de vitamina D, de acordo com os pesquisadores.

“Por isso, sugere-se que as pessoas com maior pigmentação da pele possam enfrentar riscos não só mais elevados de deficiência de vitamina D, mas também estar em maior risco de condições psicológicas e psiquiátricas”, afirmou o professor.

Kimlin, que chefia o National Health and Medical Research Council Centre for Research Excellence in Sun and Health do QUT, disse que os níveis adequados de vitamina D são essenciais na manutenção da saúde óssea, com sua deficiência causando osteomalácia em adultos e raquitismo nas crianças. O Instituto de Medicina dos EUA recomenda níveis de vitamina D de mais de 50 nanomoles por litro (nmol/L).

“O que sabemos agora é que há fortes indícios de que a manutenção de níveis adequados de vitamina D também sejam importantes para uma boa saúde mental”, afirmou Kimlin. “Poucos minutos de exposição à luz solar diariamente deve ser suficiente para a maioria das pessoas para manter um nível de vitamina D adequado.”

“Queensland é conhecido como o Estado do Sol na Austrália, mas isso não significa que todos os Queenslanders obtenham quantidade suficiente de vitamina D”, concluiu Kimlin: “Esta pesquisa é de importância internacional, porque não importa onde você mora, baixos níveis de vitamina D podem se tornar um problema de saúde”.

Traduzido por Essentia Pharma

Fonte: http://scienceblog.com/75597/vitamin-d-deficiency-depression-linked/#8rqd2jkD5jctSdDO.97

 

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”