OBJETIVO:

Investigar a relação entre a adesão à terapia com uso de estatinas e o risco de desenvolver diabetes.

DESIGN E MÉTODOS DA PESQUISA:

A coorte foi composta de 115.709 moradores da região italiana da Lombardia que foram recentemente tratados com estatinas, durante 2003 e 2004. Os pacientes foram acompanhados até 2010. Durante esse período, os pacientes que iniciaram o tratamento com um agente antidiabético ou foram hospitalizados por um diagnóstico principal de diabetes tipo 2 foram todos identificados (resultado). A adesão foi medida pela proporção de dias cobertos (PDC) com estatinas (exposição). Um modelo de risco proporcional foi montado para estimar taxas de risco (HR) e IC de 95% para a associação de resultados expostos, após o ajuste para diversas covariáveis. Um conjunto de análises de sensibilidade foi realizado para explicar as fontes de incerteza sistemática.

RESULTADOS:

Durante o acompanhamento, 11.154 membros da coorte participaram dos resultados. Em comparação com pacientes com demasiada baixa adesão (PDC <25%), aqueles com baixa (26-50%), intermediário (51-75%), e alta (≥75%) adesão ao tratamento com estatina tiveram RHs (95% IC) de 1,12 (1,06-1,18), 1,22 (1,14-1,27) e 1,32 (1,26-1,39), respectivamente.

CONCLUSÕES:

Em um ambiente real, o risco de novos casos de diabetes aumenta à medida que a adesão à terapia com estatinas aumenta. Benefícios das estatinas na redução de eventos cardiovasculares claramente domina o risco de diabetes.

 

Traduzido por Essentia Pharma

Diabetes Care. 2014 Aug;37(8):2225-32. doi: 10.2337/dc13-2215. Epub 2014 Jun 26.

Statins and the risk of diabetes: evidence from a large population-based cohort study.

Corrao G1, Ibrahim B2, Nicotra F2, Soranna D2, Merlino L3, Catapano AL4, Tragni E5, Casula M5, Grassi G6, Mancia G7.