A carga glicêmica (CG) do alimento é o produto do índice glicêmico (IG) pela quantidade de carboidratos, sendo uma medida de avaliação da quantidade e qualidade de carboidratos, considerando o efeito na glicemia após o consumo de uma porção de um alimento.

A CG é um importante fator no controle do metabolismo da glicose, pois quando há grandes picos no sangue o risco de desenvolver resistência à insulina é maior, típico na diabetes tipo II.

Uma nova pesquisa mostra que os carboidratos com baixa carga glicêmica podem elevar os níveis de adiponectina no sangue, substância que aumenta a sensibilidade insulínica, além de apresentar propriedades anti-inflamatórias e antiaterogênicas.

Em um estudo desenvolvido pelo Programa de Prevenção do Câncer, em Seattle, envolvendo 80 homens e mulheres, Neuhouser e sua equipe identificaram que entre os participantes com sobrepeso e obesidade, uma dieta de baixa carga glicêmica aumentou a adiponectina em 5% e resultou na redução de 22% dos níveis de proteína C reativa (PCR), um marcador de inflamação que está associado ao risco aumentado para muitos tipos de câncer e doenças cardiovasculares.

Pesquisa realizada na Universidade de Toronto corrobora com os resultados de Neuhouser e sua equipe, pois concluiu  que os grãos integrais com baixa carga glicêmica (quinoa, trigo bulgur, cevada, aveia, centeio) diminuem a PCR e são úteis no tratamento de diferentes tipos de condições inflamatórias, como a artrite. Neste estudo, os carboidratos com alto índice glicêmico foram identificados como alimentos com baixo teor em fibra e altamente processados.

Tabela de comparação entre CG e IG de alguns alimentos e glicose:

 

Alimento Índice Glicêmico Porção Carboidratos (g) Carga Glicêmica
Arroz integral 55 1 xícara (195g) 42 23
Arroz branco 64 1 xícara (186g) 52 33
Banana 52 1 un grande (136g) 27 14
Cenoura 47 1 un grande (72g) 5 2
Melancia 71 120g 8 3
Glicose 100 50g 50 50
Quinoa 53 150g 25 13

 

Apesar de a melancia  possuir alto índice glicêmico, o impacto sobre o açúcar no sangue é menor, pois cada pedaço é, em sua maioria, constituído por água. Uma vez que os carboidratos de baixa carga glicêmica podem ajudar a aliviar a inflamação e melhorar o metabolismo do açúcar certamente vale a pena incluí-los em uma dieta.

 

Arq Bras Endocrinol Metab vol 50 nº 3. Junho 2006.

Arq Bras Endocrinol Metab vol.55 no.2 São Paulo Mar. 2011

Atheroscler Suppl.  May;6(2):7-14, 2005.

Clin Nutr. Oct;23(5):963-74, 2004.

International Journal of Cardiology. Volume 126, Issue 1, Pages 53-61, 7 May 2008.

J Nutr. March; 140(3): 587–594, 2010.

Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento, São Paulo v.1, n. 6, p. 01-11, Nov/Dez. 2007

Tabela brasileira de composição de alimentos. Versão II, 2. ed, UNICAMP, Campinas, 2006.

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser substitutos do profissional médico ou para tratamento de condições específicas. Procure sempre o aconselhamento de um profissional da saúde qualificado, seja qual for a dúvida que possa ter a respeito de seu tratamento ou sintomas. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore em procurar orientação do mesmo por algo que tenha lido em nosso site e/ou mídias sociais da Essentia Pharma.”