As pessoas que consomem bastante peixe podem ter um risco ligeiramente menor de depressão, de acordo com uma nova análise de estudos anteriores.

Na análise, os pesquisadores se basearam em 26 estudos que envolveram um total de 150,278 pessoas e examinaram a relação entre a depressão e o consumo de peixe. Dez dos estudos foram conduzidos na Europa, sete executados na América do Norte e os restantes realizados na Ásia, Oceania e América do Sul.

 

A análise dos estudos realizados na Europa descobriu que as pessoas com maior consumo de peixes apresentaram um risco 17% menor de depressão do que aquelas cujo consumo era menor. “Um maior consumo de peixe pode ser benéfico na prevenção primária da depressão”, escreveram os pesquisadores no estudo.

 

Quando analisaram todos os dados por gênero, eles descobriram que os homens que comiam mais peixes tiveram um risco 20% menor de depressão. Em mulheres, o risco de depressão foi reduzido em 16%, em comparação com aquelas que comiam menos peixe.

 

Nos estudos realizados em outros continentes, não encontrou associação entre o consumo de peixe e a depressão na Europa. “Isso pode ser porque um número menor de participantes não pode alcançar significância estatística facilmente”, disse o autor do estudo Fang Li, da Universidade de Qingdao, em Shandong, China.

 

E desde que os estudos incluídos na análise foram observacionais (por exemplo, os pesquisadores não pediram às pessoas para começar a comer mais peixe e medir os efeitos), não foi possível estabelecer uma relação de causa e efeito entre o consumo de peixe e o risco de depressão. Também os pesquisadores não têm informações sobre os tipos de peixe as pessoas nos estudos comiam, afirmou Li. Sabem eles que é necessário mais estudos para ver se a associação entre o consumo de peixe e depressão varia de acordo com o tipo de peixe consumido.

 

Não está claro por que comer mais peixe pode reduzir o risco de depressão, mas há vários mecanismos que poderiam explicar. Por exemplo, pesquisas anteriores sugeriram que os ácidos graxos ômega-3 encontrados em peixes poderiam alterar a estrutura das membranas celulares do cérebro. Pode ser também que outros ácidos graxos modifiquem a atividade dos neurotransmissores dopamina e serotonina, cogitados por estarem envolvidos na depressão, afirmaram os pesquisadores.

 

Mas também pode ser que as pessoas que comem mais peixe são geralmente saudáveis. “O alto consumo de peixe também pode estar relacionado a uma dieta saudável e melhor estado nutricional, o que pode contribuir para o menor risco de depressão”, disse Li ao Live Science.

 

O novo estudo foi publicado (10 de setembro) no Journal of Epidemiology & Community Health.

 

Traduzido por Essentia Pharma

Fonte:http://www.livescience.com/52143-eating-fish-depression-risk.html

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”