A Universidade de Stony Brook, no estado de Nova Iorque, nos Estados Unidos, publicou um texto interessante sobre a avaliação da hipertensão em crianças.

Segundo eles, estima-se que a hipertensão afeta mais de 50 milhões de americanos e é uma das principais causas de doenças cardiovasculares, acidente vascular cerebral (ou AVC) e de doença renal em estágio terminal. E, embora seja mais comum em adultos, a hipertensão afeta cerca de 5% da população infantil. Os responsáveis pelas divisões de Nefrologia Pediátrica e Hipertensão e do Centro de Hipertensão Pediátrica, do Hospital de Stony Brook, Dr. Robert Woroniecki e Dra. Katarina Supe-Markovina, respectivamente, chamam a atenção para um problema de saúde crescente entre os jovens americanos e de outros países.

O que é esse distúrbio? Hipertensão arterial, ou pressão mais alta que o normal, é um problema crescente em crianças devido à crescente incidência de obesidade e distúrbios metabólicos. “A hipertensão coloca uma pressão sobre o sistema cardiovascular e faz com que as crianças fiquem em situação de risco para desenvolver doença cardíaca e renal crônica mais tarde na vida”, disse o Dr. Woroniecki. “Por outro lado, a doença renal crônica, em algumas situações, leva à pressão arterial elevada. Qualquer que seja a causa, os efeitos podem influenciar dramaticamente a saúde e a qualidade de vida de uma criança.”

Embora as crianças hipertensas não tenham o mesmo risco imediato de ataque cardíaco ou AVC como os adultos, a patologia pode causar mudanças no corpo da criança, colocando-os em risco de complicações futuras.

Como saber se meu filho está hipertenso? A melhor maneira de diagnosticar a hipertensão, também conhecida como “assassina silenciosa”, pois normalmente não apresenta sintomas evidentes, é através de leituras da pressão sanguínea. “As crianças com sobrepeso ou obesos devem ser avaliadas regularmente”, comenta a Dra. Supe-Markovina. “O mesmo vale para as crianças que se enquadram em categorias de maior risco, como aqueles com problemas renais identificados ou nascidos prematuramente.”

Números normais dependem de três fatores: sexo, idade e altura. Se uma criança está acima do percentil 95 (parâmetro de avaliação de sobrepeso padronizado pela World Health Organization) é uma forte candidata a ter pressão arterial elevada. Uma vez que o diagnóstico é feito, o melhor curso de tratamento é trabalhar com uma equipe multidisciplinar de especialistas que podem diagnosticar com precisão os problemas, recomendarem o tratamento apropriado – normalmente uma combinação de mudanças no estilo de vida e alimentação – ajudam a criança e a família a executar cuidados de longa duração e acompanhamento.

Inserir alguns alimentos da criança (e por que não dos pais também?) ajudarão muito o restabelecimento da pressão adequada para a faixa etária. Veja alguns exemplos:

  1. Grãos integrais e legumes

Esses alimentos fornecem diversos minerais e vitaminas que auxiliam no reequilíbrio de líquidos no corpo e, assim, diminui a pressão do sangue dentro dos vasos. A constante pressão do sangue agride a mucosa que pode ficar danificada. Os nutrientes dos grãos e legumes ajudarão na recomposição, prevenindo a adesão de gorduras que estão livres no sangue.

  1. Folhas verde-escuras

Folhas verdes como couve, salsinha e agrião são ricas em magnésio, que age no controle da pressão arterial. A falta de magnésio dificulta a produção de óxido nítrico, substância presente nas paredes de vasos e artérias que promove o relaxamento.

  1. Cacau

O cacau puro, livre de gordura e açúcar (apenas a presente no alimento), está sendo muito estudado nos dias de hoje. Ele é fonte de flavonoides, que dentre outras qualidades, tem o poder de reduzir a pressão arterial, por relaxar os vasos sanguíneos.

  1. Chia, linhaça e demais sementes

Essas sementes são ricas nos ácidos graxos da família dos ômegas 3, 6 e 9. Estes são utilizados dentro do corpo para produzir substâncias anti-inflamatórias, essenciais no controle da hipertensão.

  1. Alho

Rico em alicina como mostrei na coluna passada, o alho tem o poder de aumentar a elasticidade dos vasos. Mas para esse efeito,  é necessário um pequeno truque! Deve-se picar e mecerar o alho e deixar repousar por 10 min. Esse tempo é necessário para que as enzimas possam agir e assim, colhermos os benefícios. Vale lembrar que o suplemento de óleo de alho não promove esse efeito, sendo indicado o consumo de alho cru. Estudos mostram que 1 dente de alho cru  por dia é suficiente. E a minha última dica, é você consumir esse alho cru em forma de pasta e colocar na sopa ou em alguma preparação já pronta! Assim, fica mais fácil!

  1. Azeite de Oliva extra-virgem

Utilize-o nas saladas, medindo uma colher de sopa no total por dia. Suas gorduras boas ajudam a manter a fluidez do sangue.

Fonte:

Stony Brook University. “Are your kids at risk for a growing health problem? Pediatric hypertension threatens children, brings long-term health risks.”

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”