Estudo, publicado recentemente na revista PLoS ONE, mostrou que camundongos com 10 dias de idade, que tinham sofrido uma lesão cerebral hipóxico-isquémica (causada por uma diminuição do fluxo de sangue e oxigênio para o cérebro, tal como ocorre durante um acidente vascular cerebral), foram tratados com uma emulsão contendo ácidos graxos DHA e EPA, encontrados em certos alimentos e suplementos. Os pesquisadores avaliaram a função neurológica dos animais 24 horas e 8 a 9 semanas após a lesão cerebral.

 

EPA e DHA são os ácidos graxos ômega-3 bioativos encontrados em óleos extraídos a partir de peixes de água fria. Os investigadores do Columbia University Medical Center (CUMC) e outros cientistas demonstraram que estes ácidos graxos protegem os órgãos e células de várias maneiras após a privação de oxigênio, reduzindo a inflamação e a morte celular.

 

Após 24 horas, os camundongos tratados com o DHA, mas não com EPA, apresentaram uma redução significativa nas lesões cerebrais. Nas semanas seguintes, o grupo de DHA também teve resultados significativamente melhores em várias funções do cérebro, quando comparados com os camundongos tratados com EPA e com os não tratados (controle).

 

Os pesquisadores também descobriram que esses animais apresentaram aumento das concentrações de DHA em suas mitocôndrias cerebrais, estruturas de produção de energia em células que podem ser danificadas pelos radicais livres quando o fluxo sanguíneo é restaurado para o cérebro depois de um AVC. Este processo, conhecido como lesão de reperfusão, é uma causa comum de dano cerebral após a privação de oxigênio e de nutrientes.

 

“Nossos resultados sugerem que a injeção do ácido graxo DHA do ômega-3, após um evento como um AVC, tem a capacidade de proteger as mitocôndrias do cérebro contra os efeitos nocivos dos radicais livres”, afirmou o coautor sênior, Vadim S. Ten, MD, PhD, professor associado de pediatria na CUMC.

 

A interrupção do fluxo sanguíneo e fornecimento de oxigênio para o cérebro durante ou logo após o nascimento é uma das principais causas de danos cerebrais em recém-nascidos, causando deficiências neurológicas ao longo da vida em mais de 25% das pessoas afetadas. Muitas das vias envolvidas neste tipo de danos cerebrais são semelhantes aos de um AVC adulto.

 

“Os ensaios clínicos são necessários para determinar se a administração de emulsões lipídicas contendo DHA logo após uma lesão cerebral tipo AVC oferece os mesmos efeitos neuroprotetores em bebês e adultos, como pode ser visto em camundongos. Se bem sucedido, tais ensaios poderiam levar ao desenvolvimento de uma nova terapia para o AVC em recém-nascidos, crianças e adultos, atendendo a uma grande necessidade médica”, disse o coautor sênior Richard J. Deckelbaum, MD, CM, professor de epidemiologia e diretor do Instituto de Nutrição da CUMC.

 

 
Traduzido por Essentia Pharma
Fonte: http://www.psypost.org/2016/08/stroke-like-brain-damage-is-reduced-in-mice-injected-with-omega-3s-44521
 

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”