As mulheres grávidas têm recebido uma dura advertência sobre o uso de paracetamol, com pesquisas sugerindo que ele pode reduzir a quantidade de testosterona produzida por seus filhos ainda não nascidos.

Cientistas da Universidade de Edimburgo têm aconselhado às mulheres que, no caso de tomarem o analgésico, sejam rigorosas às diretrizes atuais. Eles afirmam que uma quantidade tão pequena quanto possível deve ser consumida durante o período mais curto possível.

A equipe realizou uma pesquisa em camundongos e descobriu que os roedores que tomaram três doses da medicação diária durante uma semana tiveram 45 por cento menos testosterona do que aqueles que receberam um placebo.

A testosterona, fabricada nos testículos, é um hormônio vital para os homens no longo prazo, e bebês que não são expostos à suficiente quantidade quando ainda no útero podem ter uma chance maior de infertilidade e câncer testicular quando estiverem mais velhos.

Na experiência, os camundongos tinham tecido testicular humano enxertado e, em seguida, foram dadas quantidades variáveis ​​de paracetamol. A quantidade de testosterona produzida pelo tecido foi então registrada. Descobriu-se que a utilização do analgésico num único dia não causou qualquer impacto, mas sim quando utilizado durante uma semana.

“Este estudo adiciona à evidência existente de que o uso prolongado de paracetamol durante a gravidez pode aumentar o risco de distúrbios reprodutivos em bebês do sexo masculino”, afirmou o Dr. Rod Mitchell, da Universidade de Edimburgo.

Carmel Lloyd, chefe de educação da Royal College of Midwives, acrescentou que se as mulheres grávidas não podem controlar os seus sintomas, limitando o uso do paracetamol, que peçam recomendações ao seu médico.

Dr. Martin Ward-Platt do Royal College of Paediatrics and Child Health explicou que há ocasiões em que as mulheres precisam da medicação. A febre é uma delas, desde que é especialmente perigosa em gestantes, pois tem sido relacionada a malformações cardíacas e espinha bífida, entre outros.

“Minha mensagem para as gestantes é clara: evitem o excesso do uso de paracetamol, mas na ocorrência de uma febre, ou qualquer outro tipo de dor, onde normalmente seria usado o medicamento, procure ajuda médica.”

Fonte: http://www.tv3.ie/xpose/article/parent-trap/167599/Pregnant-women-should-avoid-paracetamol

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”