Hormônios da felicidade são neurotransmissores capazes de gerar sensações como alegria, recompensa e bem-estar. Todos eles são produzidos pelo próprio corpo e liberados em situações específicas, como a prática esportiva, a meditação e durante dores intensas. Entre os hormônios da felicidade mais importantes estão a serotonina, a endorfina, a dopamina e a ocitocina.

Funções dos hormônios da felicidade

Todos os neurotransmissores atuam como mensageiros químicos, transportando, estimulando e equilibrando os sinais entre neurônios, células nervosas e outras células do corpo. Após a liberação, o neurotransmissor atravessa a lacuna entre as células e se liga a outro neurônio, estimulando ou inibindo o neurônio receptor, de acordo com a sua característica.

Além das sensações, eles podem afetar uma ampla variedade de funções físicas, incluindo frequência cardíaca, sono e apetite. Confira abaixo as principais funções de serotonina, endorfina, dopamina e ocitocina.

Serotonina

A serotonina é um neurotransmissor encontrado principalmente no sistema nervoso central (SNC), trato gastrointestinal e plaquetas. Pode soar estranho, mas a maior parte da serotonina utilizada pelo nosso corpo é produzida no intestino (saiba mais sobre a ligação entre intestino e funções cerebrais). A serotonina ajuda a equilibrar o humor e dá um impulso benéfico para a vida sexual, apetite, sono, memória, aprendizagem e temperatura. Além disso, media funções fisiológicas importantes, como os movimentos peristálticos, a manutenção da circulação sanguínea e a integridade cardiovascular.

Dopamina

A dopamina é mais conhecida por sua participação no ciclo de recompensa, estimulando nosso cérebro a completar tarefas. E é exatamente por causar sensação de prazer que sua liberação é estimulada por algumas drogas viciantes. Além disso, a dopamina atua no controle de movimentos, aprendizado, cognição e memória.

Endorfina

A endorfina atua como um poderoso analgésico, sendo liberada pelo organismo em situações de dor e estresse. Ao atuar nas células nervosas específicas, nos faz sentir menos desconforto. Além disso, ela ajuda a controlar a resposta do corpo ao estresse. Pesquisas apontam ainda potencial para inibir o crescimento de células cancerígenas e equilibrar a produção de outros hormônios.

Ocitocina

A ocitocina tem ligação com reduções de ansiedade e sentimentos de calma e segurança, o que a fez ser classificada como o “hormônio do amor”. Muitas pesquisas também indicam a ligação entre a ocitocina e a saúde sexual, potencializando o desejo sexual feminino e o orgasmo masculino. Ela também está presente na hora do parto, estimulando as contrações do útero e a liberação do primeiro leite. Outros estudos apontam poder de diminuir a memória de experiências ruins e melhorar o processamento de informações sociais.

Como estimular os hormônios da felicidade

De acordo com a neurocientista Candace Pert, “cada um de nós tem sua própria farmácia de luxo ao preço mais econômico, que produz todos os medicamentos de que precisamos para o bom funcionamento do corpo e da mente”. O problema é que, por uma série de razões, muitas pessoas nunca encontram as drogas que precisam na “farmácia da mente”. Por exemplo, quando a endorfina e a ocitocina predominam no cérebro, o mundo é um lugar quente e acolhedor. Com a calma gerada por elas, aumenta a capacidade de lidar com as tensões da vida. Confira abaixo algumas dicas de como podemos estimular a liberação dos hormônios na felicidade em nosso corpo.

Como estimular a serotonina

  1. Cuidar de si

Descansar e prestar atenção às suas necessidades é crucial para a remoção de cortisol, hormônio ligado ao estresse, e o aumento da serotonina. Encontre tempo para cuidar de si mesmo e de seu corpo. Você pode fazer isso com massagem, sauna, ioga ou outra atividade de redução de estresse que você goste.

  1. Tomar banho de sol

A luz solar estimula a produção e a liberação de diversas substâncias benéficas em nosso corpo. Comece o dia com 15 a 20 minutos de sol para ver uma acentuada melhoria na sua produtividade e felicidade. Usar protetor solar não atenua os efeitos da luz solar sobre a nossa química.

  1. Ingerir 5-HTP

A 5-HTP é um aminoácido natural, precursor da serotonina, que pode ser suplementado por via oral. É normalmente prescrito em tratamentos de ansiedade, depressão, fibromialgia, insônia e hipertensão.

  1. Meditar

Os efeitos da prática regular de meditação incluem a redução do cortisol, o que possibilita o aumento na produção de serotonina e outros benefícios para o corpo. Não é preciso se sentar por horas para obter seus benefícios. Uma prática diária com duração de 15 a 20 minutos já pode apresentar resultados positivos.

 Como estimular a endorfina 

  1. Tomar banho frio

Tomar um banho gelado é ruim enquanto se está no chuveiro, mas todos se lembram da sensação de bem-estar ao fechar a torneira. Isso porque nosso corpo libera a endorfina para diminuir a sensação do choque térmico causado pela água fria. Ao se interromper o causador do choque térmico, sobram os efeitos da endorfina.

  1. Se exercitar com mais intensidade

Pesquisadores descobriram que o treinamento de alta intensidade, que induza atividade anaeróbica, estimula a liberação de endorfina na corrente sanguínea. É uma resposta à escassez de oxigênio durante a produção de energia nos músculos.

  1. Dormir mais

A privação do sono tende a diminuir a conexão da endorfina com os receptores do sistema límbico, que controla a sensação de prazer. Assim, uma noite bem dormida pode nos permitir o melhor aproveitamento da endorfina.

  1. Tomar sol

Assim como a serotonina, a endorfina é influenciada pela exposição ao sol. Neste caso, porque ela afeta diretamente a produção de endorfina em nosso organismo. Se você não consegue tomar sol por qualquer motivo, pode usar uma luz UVB, que também induzirá a produção de vitamina D, ou ainda suplementar diretamente a vitamina.

  1. Sair com amigos

Um programa em boa companhia tem potencial para liberar endorfina no organismo. Isso ocorre porque as interações sociais positivas estimulam a liberação de serotonina, atuando na mesma área do cérebro ligada ao efeito de drogas.

  1. Comer alimentos com seus precursores

Chocolate, pimenta, aveia, alface e sementes de abóbora e girassol. Estes alimentos têm entre seus componentes os ingredientes da endorfina. Quando combinados com a prática esportiva ou algum outro estimulante, podem impulsionar a produção do hormônio.

  1. Comer alimentos saborosos

Estudos demonstraram que a estimulação de receptores da endorfina aumenta após a ingestão de alimentos que apreciamos. Não por outro motivo, o consumo excessivo de alimentos ultraprocessados e altamente palatáveis é apontado como fator importante para as crescentes taxas de obesidade em todo o mundo.

  1. Receber acupuntura

Nossos opioides inatos desempenham um papel importante nos efeitos da acupuntura. Em geral, a acupuntura ativa nosso sistema opioide, influenciando a liberação e síntese de endorfina e regulando a função e expressão de seus receptores.

Como estimular a ocitocina 

  1. Abraçar demoradamente

Pesquisas mostram que abraços demorados, superiores a 30 segundos, têm potencial para estimular a liberação de ocitocina no cérebro. Este ato é especialmente recomendado para crianças, que podem crescer com sensação de acolhimento.

  1. Ter relações sexuais

Estudos mostram que o corpo é gradativamente tomado por ocitocina durante uma relação sexual. Este é um processo que começa com os primeiros estímulos táteis e atinge o nível máximo durante o orgasmo.

  1. Tomar sol

Assim como a endorfina, a ocitocina tem sua produção influenciada pela exposição ao sol. Se você não consegue tomar sol por qualquer motivo, pode usar uma luz UVB ou suplementar com vitamina D.

  1. Relaxar

Ações que levam ao relaxamento, como ouvir música calma, praticar yoga, tomar banhos quentes e meditação induzem a liberação de ocitocina em nosso organismo.

  1. Tomar o hormônio

Sim, a ocitocina é um hormônio da felicidade que pode ser ingerido diretamente. Ele é produzido por farmácias de manipulação, sob receita médica, e pode ser ingerido via spray nasal ou gotas sublinguais.

Como estimular a dopamina 

  1. Atingir metas

A dopamina é liberada quando se atinge um objetivo. Aos transformar uma meta de longo prazo em pequenas metas de curto prazo promovemos um aumento da dopamina ao longo do caminho. Também podemos nos propor metas simples, como tentar uma nova receita, esvaziar sua pasta de e-mails ou aprender a usar um novo aplicativo.

  1. Praticar exercícios físicos

Estudos indicam que a atividade física aumenta a produção de novas células cerebrais, retarda o seu envelhecimento e melhora o fluxo de nutrientes para o cérebro.

  1. Reforçar o sistema antioxidante

Por ser facilmente oxidada, a ação da dopamina é maior quando estamos com o sistema antioxidante fortalecido. Uma dieta com betacaroteno, vitamina C, vitamina E e minerais auxilia o organismo na produção dos antagonistas dos radicais livres.

  1. Praticar meditação

Estudos mostram que praticantes regulares de meditação experimentam elevada capacidade de aprendizado, aumento da criatividade e relaxamento profundo. Ficou demonstrado que a meditação aumenta a dopamina, melhorando o foco e a concentração.

Manual básico dos hormônios da felicidade

Muitas das ações que impulsionam nossos hormônios da felicidade são semelhantes e fáceis de serem realizadas. A exposição ao sol, a prática de exercícios físicos e as relações interpessoais estão entre as mais reconhecidas como geradoras de bem-estar. Além destas, a prática de meditação, tão pouco difundida no ocidente, mostra grande potencial para estimular a produção destes neurotransmissores benéficos. Seja qual for o caminho escolhido, o importante é persistir na prática, pois as pesquisas mostram resultados crescentes com o tempo.