Em uma revisão recentemente publicada pela Universidade McMaster, Ontario, Canadá, sintetizou-se evidências recentes, a fim de fornecer recomendações práticas sobre o exercício e intervenções nutricionais em população com sarcopenia. Esta é uma síndrome altamente prevalente em idosos, conferindo maior risco para quedas, fraturas, incapacidade, hospitalização recorrente e mortalidade. Essa condição dá-se, entre outros fatores, através do desequilíbrio entre a síntese e a quebra de proteína muscular.

Baseado na revisão, o exercício resistido é um estimulador da síntese de proteínas, mas a resistência a síntese protéica – comum em idosos, devido à menor sensibilidade do músculo envelhecido a doses mais baixas de aminoácidos – pode melhorar de acordo com uma ingestão adequada de proteínas. A fonte e a dose utilizada de proteína são importantes quando se pretende melhorar a síntese protéica pós-exercício.

Especificamente, a ingestão de fontes ricas em leucina (aminoácido de cadeia ramificada), pode estimular as taxas de síntese protéica pós-exercício melhor que outras proteínas. Dentre todos os aminoácidos, o efeito anabólico da leucina sobre a síntese proteica é de grande interesse nutricional, por reduzir a perda de massa magra que ocorre em estados catabólicos e em situações fisiológicas específicas, como no envelhecimento. Este nutriente é eficaz em estimular a síntese proteica, reduzir a proteólise e, portanto, favorecer o balanço nitrogenado positivo.

De acordo com a revisão realizada por Breen & Philips (2012), indivíduos idosos com sarcopenia responderam positivamente a doses de até 40g de aminoácidos após o exercício, considerando que para indivíduos jovens saudáveis doses de até 20g de aminoácidos foram suficientes.

No entanto, idosos tendem a ingerir pouca água e dietas hiperproteicas podem aumentar a desidratação. Dessa forma a recomendação de ingestão adequada de água, junto com proteína e carboidrato de boa qualidade são procedimentos que devem ser orientados e adotados por esses indivíduos.

Fonte:

Breen, L., Phillips, S.M. Skeletal muscle protein metabolism in the elderly: Interventions to counteract the ‘anabolic resistance’ of ageing. Nutr Metab (Lond).  5;8:68, Oct 2011.

Breen, L., Phillips, S.M. Nutrient interaction for optimal protein anabolism in resistance exercise. Curr Opin Clin Nutr Metab Care.  Feb 23, 2012.

Ciolac, E.G., Guimarães, G.V. Exercício físico e síndrome metabólica. Rev Bras Med Esporte vol.10 no. 4. Niterói July/Aug. 2004.

Duval, P.A., Vargas, B.L., Fripp, J.C. Revista Brasileira de Cancerologia. 56(2): 207-212, 2010

Torres-Leal, F. L., Vianna, D. Aspectos atuais do efeito da leucina sobre o controle glicêmico e a resistência à insulina. Nutrire: rev. Soc. Bras. Alim. Nutr.= J. Brazilian Soc. Food Nutr., São Paulo, SP, v. 35, n. 2, p. 131-143, ago. 2010.

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”