Os níveis de colesterol – o fator de risco mais comum para ataques cardíacos – diminuíram no norte da Suécia ao longo dos últimos 20 anos. Desde que os medicamentos representam apenas 1/3 da diminuição, a redução do risco de doença cardiovascular ocorre graças a uma mudança no estilo de vida. Isso de acordo com um estudo publicado no European Heart Journal.

 

Pesquisadores da Universidade de Umeå e Hospital Sunderby, em Luleå, ambos no norte da Suécia, descobriram uma diminuição geral nos níveis de colesterol, que foi mais pronunciada em pessoas mais velhas, mulheres sem educação universitária e em pessoas com alto risco de doença cardiovascular.

 

“A razão mais importante para a diminuição do colesterol na população de municípios Norrbotten e Västerbotten, norte da Suécia, é provávelmente devido a uma mudança no estilo de vida, tais como a redução da ingestão de gordura, juntamente com um aumento da ingestão de fibras, frutas, legumes e grãos”, de acordo com Mats Eliasson, professor do Departamento de Saúde Pública e Medicina Clínica, bem como médico no Hospital Sunderby.

 

O estudo, que foi publicado no European Heart Journal, mostra que o nível médio de colesterol no sangue na população diminuiu de 6,2 a 5,5 mmol/L, entre 1994 e 2014. A diminuição foi mais acentuada nos idosos do que em jovens participantes, mas nenhuma diferença foi encontrada entre homens e mulheres. O grupo com a maior queda foi pessoas com alto risco de doença cardiovascular, que tinham sido tratadas para a hipertensão arterial, diabetes e prévio ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral.

 

No início do estudo, em 1994, as pessoas com elevado risco de ataque cardíaco apresentavam o nível de colesterol, pelo menos, tão elevado como o de indivíduos saudáveis. Em 2014, os níveis destes indivíduos de alto risco eram consideravelmente mais baixos do que o da população em geral. Níveis elevados de colesterol em pessoas obesas, bem como em mulheres sem formação universitária foram observados no início do estudo, mas haviam desaparecido completamente 20 anos depois.

 

Medicamentos para baixar o colesterol, muitas vezes chamados de estatinas, são mais frequentemente prescritos nos dias de hoje, e foi usado por 14% da população em 2014 – estimado como contribuinte para 1/3 da diminuição dos níveis de colesterol.

 

“Vendo que as mulheres sem formação universitária, ou mesmo pessoas obesas têm agora os mesmos níveis baixos de colesterol que pessoas com peso normal, confirma que a saúde é agora oferecida nos mesmos termos”, diz Marie Eriksson, professora associada e estatística da Umeå University e coautora do estudo.

 

Mesmo que o risco de doenças cardiovasculares tem sido fortemente reduzido nos últimos 10-20 anos, este ainda é a causa mais comum de morte na Suécia, especialmente quando se trata de ataques cardíacos. Níveis elevados de colesterol é a causa mais forte da doença, seguida do hábito de fumar e da pressão arterial elevada.

 

 

Fonte: http://www.eurekalert.org/pub_releases/2016-03/uu-ill030116.php

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”