O estresse constante está associado com sinais de má saúde dos vasos sanguíneos e aumento do risco de doença cardiovascular. Uma nova investigação apresentada na reunião da Experimental Biology 2016 (EB 2016), em San Diego, descobriu que o exercício aeróbico manteve os vasos sanguíneos de ratos estressados trabalhando normalmente. Os vasos sanguíneos dos animais apresentaram maior ampliação quando estimulados, em comparação com os vasos sanguíneos de ratos estressados que não se exercitavam – um sinal de melhor saúde vascular. O exercício pode ser uma terapia importante para a promoção da saúde cardiovascular em indivíduos cronicamente estressados, conclui o estudo.

 

Kent Lemaster, estudante de graduação na Universidade de West Virginia, apresentou o estudo intitulado “Reversing the Effects of Chronic Stress on the Aorta with Exercise Training” (A reversão de efeitos do estresse crônico na aorta com o treinamento físico).

 

Indivíduos com grandes níveis de estresse crônico têm uma rigidez aórtica aumentada, o que é um fator de risco forte e independente para a doença cardiovascular. Além disso, o estresse crônico está associado com uma diminuição da capacidade de relaxamento dos vasos dependentes do endotélio e induzido pelo óxido nítrico (NO), que pode contribuir para a rigidez da aorta e aumento da pós-carga (dificuldade enfrentada pelo ventrículo, durante o processo de ejeção) sobre o coração. Usando o protocolo de estresse ligeiro crônico imprevisível (Unpredictable Chronic Mild Stress Protocol – UCMS), ratos Zucker magros (LZR, ratos saudáveis) desenvolvem uma reatividade vascular diminuída em anéis de aorta concomitantes para o aparecimento de patologias crônicas de estresse.

 

As intervenções terapêuticas com o objetivo de melhorar o funcionamento do endotélio são, portanto, consideradas importantes ações para melhorar os resultados cardiovasculares em pacientes estressados. Trabalhamos com a hipótese de que uma intervenção com exercícios aeróbicos crônicos melhoraria o relaxamento dependente do endotélio produzido pela metacolina em anéis de aorta isolados de LZR estressados. Um total de 22 animais foram submetidos a oito semanas sob um protocolo de exercício em esteira a partir de nove semanas de idade, separados em grupos: LZR sedentário (LZR; n=7); LZR UCMS (LZR-UCMS; n=8); exercício e UCMS (LZR-ExUCMS n=7).

 

Após a intervenção, a aorta torácica de cada animal foi dissecada e seccionada em anéis, algumas das quais foram então montadas num sistema myograph por tensão de fio. Os anéis restantes foram avaliados quanto à produção de NO num ensaio com DAF-FM diacetato. Força de transdução foi usada para medir as alterações na tensão da aorta em resposta a agonistas farmacológicos. Os anéis da aorta foram mecanicamente ajustados para 1 grama de tensão, em seguida, utilizou-se pré-constrição com fenilefrina (1×10-6μM), seguido por uma dilatação progressiva induzida por concentrações crescentes de metacolina (1×10-9, 1×10-8, 1×10-7, 1×10-6, 1×10-5 µM, respectivamente).

 

O grupo LZR demonstrou mais metacolina induzida pelo relaxamento máximo dos vasos, em comparação com o grupo LZR UCMS (83% contra 78%). O grupo LZR-ExUCMS experimentou maior dilatação máxima (90%), bem como o aumento dos valores de produção de NO medidos no ensaio com DAF, em relação ao grupo LZR e grupo LZR-UCMS. Estes resultados demonstram que oito semanas de exercício aeróbico melhoram a biodisponibilidade endotelial e/ou produção de NO, o que melhora o relaxamento vascular dependente do endotélio nas aortas de LZRs estressados até mais do que o controle sedentário.

 

O exercício físico pode, portanto, ser uma terapia importante para promover uma maior complacência (capacidade de distensão) arterial de indivíduos cronicamente estressados.

 

Fonte:https://www.sciencedaily.com/releases/2016/04/160405175645.htm

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”