Um composto encontrado no vinho tinto, o resveratrol, reduz o risco de doença cardíaca, alterando o microbioma intestinal, de acordo com um novo estudo realizado por pesquisadores da China. O estudo foi publicado na mBio, uma revista de acesso aberto publicada pela Sociedade Americana de Microbiologia.

 

“Nossos resultados oferecem novos insights sobre os mecanismos responsáveis por efeitos antiaterosclerose do resveratrol e indicam que a microbiota intestinal pode tornar-se um alvo interessante para intervenções farmacológicas ou dietéticas para a diminuição do risco de doenças cardiovasculares”, disse Man-tian Mi, PhD, principal investigador do estudo, Chongqing, China.

 

A doença cardiovascular continua a ser a principal causa de morte nas sociedades industrializadas, incluindo os Estados Unidos, e a incidência está crescendo em países em desenvolvimento. Nos últimos anos, os pesquisadores descobriram que o microbioma intestinal desempenha um papel na acumulação de placa dentro das artérias, também conhecido como aterosclerose. O resveratrol, um polifenol encontrado no vinho tinto, mostra-se com propriedades antioxidantes que protegem contra condições tais como a doença cardíaca. No entanto, não está claro como o ativo vegetal faz isso.

 

No novo estudo, os pesquisadores realizaram uma série de experimentos em camundongos para determinar se o efeito protetor do resveratrol contra a aterosclerose estava relacionado a mudanças no microbioma intestinal. Descobriram que o resveratrol reduz os níveis de N-óxido de trimetilamina (TMAO), um composto conhecido para o desenvolvimento de aterosclerose. Também descobriram que o resveratrol inibe a produção de TMA (trimetilamina) pelas bactérias intestinais; TMA é necessária para a produção de TMAO.

 

“No nosso estudo, verificou-se que o resveratrol pode remodelar a microbiota intestinal incluindo um aumento da relação de Bacteroides e Firmicutes, significativamente inibir o crescimento de Prevotella, e aumentar a abundância relativa de Bacteroides, Lactobacillus, Bifidobacterium e Akkermansia em camundongos”, relatou o Dr. Mi. “O resveratrol reduz os níveis de TMAO inibindo a formação de TMA no intestino através da remodelação da microbiota intestinal.”

 

Os resultados sugerem que um polifenol natural, sem quaisquer efeitos secundários, pode ser utilizado como um tratamento para a doença cardiovascular. Os próximos passos serão para definir melhor o papel do resveratrol em doenças cardiovasculares e replicar suas descobertas em humanos.

 

 

Fonte:https://www.asm.org/index.php/journal-press-releases/94115-targeting-the-gut-microbiome-to-fight-heart-disease

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”