A exposição à poluição do ar contendo partículas finas durante a gravidez e durante os dois primeiros anos de vida de uma criança pode estar associada a um aumento do risco da criança desenvolver transtorno do espectro do autismo (ASD), uma condição que afeta uma em cada 68 crianças, de acordo com a University of Pittsburgh Graduate School of Public Health que investigou crianças no sudoeste da Pensilvânia.

 

(A pesquisa foi financiada pelo The Heinz Endowments e publicada no Environmental Research.)

 

“Transtornos do espectro do autismo são condições sem opções de cura e tratamento limitado, por isso há uma necessidade urgente de identificar os eventuais fatores de risco que poderiam mitigar, como a poluição”, afirmou a autora Evelyn Talbott, Dra. PH, professora de epidemiologia na Pitt Public Health. “Nossos resultados refletem uma associação, mas não provam a causalidade. Se faz necessário mais investigação para determinar possíveis mecanismos biológicos para tal associação.”

 

 

A Dra. Talbott e seus colegas realizaram um estudo caso-controle de base populacional de famílias com e sem ASD vivendo em seis condados do sudoeste da Pensilvânia. Eles obtiveram informações detalhadas sobre onde as mães viveram antes, durante e após a gravidez e, usando um modelo desenvolvido por Jane Clougherty, Sc.D.,  professora assistente do Pitt Public Health e coautora do estudo, foram capazes de estimar a exposição individual a um tipo de poluição do ar chamado PM2,5.

 

Este tipo de poluição refere-se a partículas encontradas no ar que são inferiores a 2,5 micrômetros de diâmetro, ou 1/30, a largura média de um cabelo humano. Por causa de seu pequeno tamanho, o PM2,5 – que inclui a poeira, sujeira, fuligem e fumaça – pode atingir profundamente os pulmões e entrar na corrente sanguínea. A área sudoeste da Pensilvânia é consistentemente classificada entre as piores regiões do país para os níveis de PM2,5, de acordo com dados coletados pela American Lung Association.

 

“Há cada vez mais evidências convincentes apontando para associações entre a qualidade do ar e problemas de saúde de Pittsburgh, especialmente aquelas que afetam nossas crianças e incluindo questões como transtorno do espectro do autismo e asma”, relatou Grant Oliphant, presidente da Heinz Endowments. “Embora reconheçamos que é necessário um estudo mais aprofundado, devemos permanecer vigilantes sobre a necessidade de melhorar a nossa qualidade do ar e para proteger os mais vulneráveis. Nossa comunidade merece um ambiente saudável e ar limpo.”

 

Transtornos do espectro do autismo são uma gama de condições caracterizadas por deficit sociais e dificuldades de comunicação que normalmente se tornam aparentes no início da infância. Os casos notificados de ASD subiram quase oito vezes nas últimas duas décadas. Embora estudos anteriores mostrassem o aumento ser parcialmente devido a mudanças nas práticas de diagnóstico e uma maior sensibilização do público para o autismo, isso não explica totalmente o aumento da prevalência. Tanto fatores genéticos e ambientais são acreditados serem responsáveis.

 

A Dra. Talbott e sua equipe entrevistaram as famílias de 211 crianças com ASD e 219 crianças sem ASD, nascidas entre 2005 e 2009. As famílias viviam em Allegheny, Armstrong, Beaver, Butler, Washington e Westmoreland. A exposição média estimada para PM2,5 antes, durante e após a gravidez foi comparada entre crianças com e sem ASD.

 

Com base na exposição da criança a concentrações de PM2,5 durante a gravidez da mãe e os dois primeiros anos de vida, a equipe de Pitt Public Health descobriu que as crianças que estavam em grupos de exposição mais elevados estavam com um valor aproximado de 1,5 vezes maior risco de ASD depois de contados outros fatores associados com o risco – como idade, escolaridade da mãe e tabagismo durante a gravidez. Esta estimativa de risco está de acordo com vários outros estudos recentes de PM2,5 e autismo.

 

Uma análise anterior da população do estudo revelou uma associação entre ASD e aumento dos níveis de gases tóxicos, incluindo cromo e estireno. Estudos realizados por outras instituições que utilizam diferentes populações também têm associado poluentes com o ASD.

 

“Os níveis de poluição do ar têm diminuído desde 1990, no entanto, sabemos que os bolsões de ar poluído permanecem em toda a nossa região e em outras áreas”, disse a Dra. Talbott. “Nosso estudo baseia-se em trabalhos anteriores feitos em outras regiões que mostram que as exposições à poluição podem estar envolvidas com o ASD. Daqui para frente, eu gostaria de ver estudos que explorem os mecanismos biológicos que podem ser a base desta associação.”

 

 

Traduzido por Essentia Pharma

Fonte: http://www.sciencedaily.com/releases/2015/05/150521121049.htm?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+sciencedaily%2Fliving_well+%28Living+Well+News+–+ScienceDaily%29

Referência:

Ooi YP, et ai. Eur J Clin Nutr. 2015 Mar 25. [Epub ahead of print.]

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”

– See more at: http://essentia.com.br/o-acido-graxo-omega-3-no-tratamento-do-autismo/#sthash.YUfhapXl.dpuf