De acordo com um novo estudo realizado por pesquisadores da Harvard T.H. Chan School of Public Health, os homens que comiam frutas e legumes com níveis mais elevados de resíduos de pesticidas – tais como morangos, espinafre e pimentas – apresentaram baixa produção de esperma e menor porcentagem de espermatozoides normais do que aqueles que comiam produtos com teores de resíduos mais baixos. É o primeiro estudo a olhar para a ligação entre a exposição a resíduos de pesticidas a partir de frutas e legumes e a qualidade do sêmen.

O estudo foi publicado on-line na revista Human Reproduction.

 

“Para o nosso conhecimento, este é o primeiro relatório que associa o consumo de resíduos de pesticidas em frutas e legumes, uma via de exposição primária para a maioria das pessoas, a um resultado de saúde reprodutiva prejudicial nos seres humanos”, relatou Jorge Chavarro, professor assistente de nutrição e epidemiologia e o autor sênior do estudo.

 

Numerosos estudos mostraram que o consumo de frutas e legumes cultivados convencionalmente resultou em níveis de pesticidas mensuráveis ​​na urina. Outros estudos haviam descoberto associações entre a exposição ocupacional e ambiental a pesticidas e a menor qualidade do sêmen. Mas apenas alguns estudos haviam relacionado o consumo de resíduos de pesticidas em alimentos com os efeitos na saúde, e nenhum havia estudado os efeitos sobre a qualidade do sêmen.

 

Os pesquisadores usaram dados de 155 homens matriculados no estudo Environment and Reproductive Health (EARTH), um estudo em curso do Instituto Nacional de Ciência da Saúde Ambiental – em um centro de fertilidade em Boston. Os dados incluíram 338 amostras de sêmen coletadas entre 2007 e 2012 e informações de pesquisa validadas sobre as dietas dos participantes. Os pesquisadores classificaram as frutas e legumes de acordo com seus graus quantitativos de resíduos de pesticidas (como pimentas, espinafre, morangos, maçãs e peras) ou valores baixos a moderados (como ervilhas, feijões, toranja e cebola), com base em dados do programa americano do Department of Agriculture Pesticide Data Program. Eles, então, ajustaram para fatores como tabagismo e índice de massa corporal – ambos conhecidos por afetar a qualidade do esperma – e olharam para conexões entre a ingestão dos homens de produtos com resíduos de pesticidas e a qualidade do seu esperma.

 

Os resultados mostraram que homens que comiam maiores quantidades de frutas e legumes com níveis mais elevados de resíduos de pesticidas – mais de 1,5 porções por dia – tinham contagem de esperma 49 por cento mais baixa e porcentagem 32% menor de espermatozoides normais do que os homens que comiam menos (menos de 0,5 porção por dia). Eles também tinham uma menor contagem de esperma, volumes ejaculatórios mais baixos e menor porcentagem de espermatozoides normais.

 

“Estes resultados não devem desencorajar o consumo de frutas e legumes em geral”, disse Chavarro. “Na verdade, descobrimos que consumir mais frutas e vegetais com resíduos de pesticidas baixos foi benéfico. Isto sugere que a implementação de estratégias especificamente orientadas para evitar resíduos de pesticidas, como consumir produtos cultivados organicamente ou evitar produtos conhecidos por terem grandes quantidades de resíduos, pode ser o caminho a percorrer.”

 

Outros pesquisadores de Harvard Chan School envolvidos no estudo incluiu o autor Yu-Han Chiu, Myriam Afeiche, Audrey Gaskins, Paige Williams, e Russ Hauser.

 

O financiamento para o estudo veio do National Institute of Environmental Health Sciences, National Institutes of Health grants, e Ruth L. Kirschstein National Research Service Award.

 

Traduzido por Essentia Pharma

Fonte:http://news.harvard.edu/gazette/story/2015/03/pesticides-result-in-lower-sperm-counts/

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”