Além da disposição para curtir atividades ao ar livre, os dias ensolarados também trazem uma necessidade: o protetor solar! Durante o verão, então, eles são indispensáveis. Afinal, ninguém gosta de ficar ardendo depois de um dia na praia ou piscina. E a sua importância não deve ser desprezada, pois uma rotina de cuidados conscientes com o corpo previne as doenças causadas pela radiação solar, como o câncer de pele. Mas qual é o melhor protetor solar?

Essa dúvida costuma ser frequente durante a busca pela melhor opção para o corpo ou para bebês. O protetor solar facial também merece atenção, já que a pele do rosto é uma das mais delicadas e expostas do corpo. Descubra a seguir as melhores alternativas para aproveitar somente o lado bom da estação mais quente do ano com o protetor solar ideal para o seu tipo de pele.

A importância do protetor solar: por que usar?

Sabia que o efeito da radiação solar sobre as células da pele é cumulativo? Isso significa que, quanto mais proteção diária, menor o risco de contrair doenças de pele a longo prazo. Outro motivo importante para o uso do protetor solar é a localização geográfica do Brasil, que está em uma região de índice altíssimo de radiação solar durante o ano todo.

Mesmo naqueles momentos em que estamos no trânsito, nos intervalos de trabalho ou aula: tudo isso conta como exposição à radiação! Por isso, a proteção solar é indicada não somente durante o verão ou quando buscamos um bronzeado, mas sim o ano todo, diariamente.  Afinal, mesmo nos dias mais nublados, todos estamos expostos aos efeitos da radiação solar e seus resultados na nossa pele.

Além disso, certos tipos de radiação, como a UVA (sigla para ultravioleta, que é um tipo de radiação emitida pelo sol), chegam até nós diariamente, independentemente do clima: faça chuva, sol ou garoa, estamos expostos a eles. Eles penetram na pele de forma mais profunda e são responsáveis pelo fotoenvelhecimento, manchas na pele, alergias e doenças como o câncer de pele. Já a radiação UVB (outro tipo de radiação ultravioleta) é a responsável pela vermelhidão e pelas queimaduras solares típicas das estações quentes do ano. Ela é  mais intensa no verão, entre as 10h e as 16h, e penetra superficialmente a pele.

Ou seja: deixar de passar protetor solar com a desculpa de que o dia não está ensolarado não é uma opção – ainda mais quando podemos ser facilmente atingidos pelos famosos “mormaços”.

Tipos de protetor solar

Antes de escolher o melhor protetor solar, é importante entender as diferenças entre os tipos. Há cremes para os mais variados tipos de pele e contextos. São eles:

  • Protetor solar químico: o mais conhecido, esse tipo de filtro contém moléculas que absorvem a radiação ultravioleta (extremamente energética) e a transformam em uma radiação de baixa energia. Assim, ele cria uma proteção química na região cutânea que reage à radiação solar e impede sua penetração na pele. Pode ser considerado de espectro amplo, pois atua na faixa UVA e UVB ou até mesmo exclusivamente UVA ou UVB. Precisa ser aplicado frequentemente, principalmente em caso de exposição total ao sol.
  • Protetor solar físico: também conhecido como inorgânico, esse tipo de protetor solar contém minerais como dióxido de titânio e óxido de zinco, que fixam na pele, porém sem absorção. Dessa forma, os raios batem e são refletidos pelo filtro, o que ajuda a prevenir o fotoenvelhecimento. Por não se fundir na pele, sua formulação é ideal para grávidas, crianças e pessoas alérgicas.
  • Protetor solar com hidratante: é indicado para as peles secas, já que preserva a oleosidade natural e garante a refração da luz solar ao conferir um aspecto brilhoso.
  • Protetor solar para peles oleosas: chamado de oil-free, é recomendado para quem tem a pele oleosa ou mista, pois não deixa a pele ainda mais oleosa.
  • Protetor solar anti-idade ou com antirrugas: sua composição traz antioxidantes que ajudam a retardar o envelhecimento celular ao preservar a saúde da pele.
  • Protetor solar com cor: trata-se de um filtro 2 em 1, pois contém pigmentos de cor e, ao mesmo tempo, é um item de maquiagem – e ajuda a proteger a pele contra o envelhecimento precoce.

Há ainda os protetores antipoluição, com antioxidantes potencializados para devolver a saúde da pele, e aqueles em spray, em pó, em gel, clareadores, veganos, corporais, labiais, faciais ou em bastão.

Como escolher o melhor protetor para cada tipo de pele

Como explicado acima, a busca pelo melhor protetor solar deve envolver uma visita ao dermatologista, além de outros fatores, como o tipo de pele de cada um:

Pele clara: delicada, demanda mais cuidados, já que, quanto mais clara a pessoa, maior deve ser o seu fator de proteção solar. Esse tipo de pele é mais sensível ao sol e tem a tendência de ficar mais vermelha do que bronzeada. Para evitar sardas e manchas, o protetor solar deve ter FPS acima de 50.

Pele morena: quem se bronzeia com facilidade, como as pessoas de pele morena, pode utilizar um protetor com FPS acima de 30.

Pele negra: por conter quantidade maior de melanina, esse tipo de pele contém maior proteção natural contra as radiações solares – entretanto, possui maior tendência a manchas. Por isso, as peles negras demandam de, no mínimo, FPS 15 quando expostas ao sol.

Quem possui pele normal pode optar tanto por protetores na forma de creme como loções ou gel-creme, por conta de seu nível de oleosidade controlada (sem ressecamento ou excesso de óleo). Para as peles sensíveis ou acneicas, o melhor protetor solar é aquele em gel-creme, de preferência sem perfumes. Quem tem a pele seca vai se dar bem com os cremes com adição de ativos hidratantes, já que esse tipo de pele precisa de uma dose extra de hidratação por  apresentar pouca oleosidade.

Como identificar um bom protetor solar?

Para saber escolher o melhor protetor solar, é importante ficar atento à composição do produto. Loções hipoalergênicas são as mais indicadas e podem ser usadas por bebês, gestantes e idosos. Outra indicação para um bom protetor solar são as loções fotoprotetoras, que protegem a pele dos efeitos nocivos da exposição solar através da adição do Zano® 10 Plus (óxido de zinco nanoparticulado), que refrata os raios UV de forma segura para as peles mais sensíveis.

Para o rosto, os protetores faciais são os mais indicados e devem levar em consideração o tipo de pele de cada um – ou a recomendação do médico.

Mas como usar e com qual frequência passar?

Mesmo nos dias nublados e menos quentes, é importante passar protetor solar. Porém, alguns cuidados devem ser tomados, como fazer um pequeno teste antes da aplicação para saber se o corpo tem alergia ao produto. Funciona assim: deve-se passar uma pequena quantidade atrás da orelha e aguardar 12 horas para verificar se a pele reage ao produto. Caso nenhuma reação ocorra, significa que o protetor solar pode ser aplicado em todo o corpo.

Além disso, outras dicas para passar o protetor solar são:

  • Passar o filtro na pele ainda seca, ao menos 15 minutos antes da exposição solar;
  • O protetor solar deve ser repassado a cada duas horas ou logo após o contato com a água (em mergulhos, por exemplo);
  • Durante a aplicação, o protetor solar deve ser espalhado por todo o corpo, incluindo orelhas e pés;
  • Utilize um protetor solar próprio para o rosto e também um protetor labial.

Também é importante saber o que não fazer durante a aplicação: evite ficar muito tempo exposto diretamente ao sol e nos horários de mais calor. E, durante a exposição solar, deve-se evitar o uso de perfumes ou descolorantes de pelo, já que esses produtos podem causar alergias ou mesmo queimaduras.

Sabia que a Essentia Pharma também manipula protetores solares corporais, faciais, antioxidantes, hidratantes e até mesmo anti-idade? Fale com o seu médico.

E se você é prescritor ou paciente e busca por mais informações sobre os protetores solares manipulados e as formas de manipulação, entre em contato com a Essentia Pharma.