Uma noite de sono de má qualidade diminui significativamente o desempenho em testes de inteligência em crianças com transtorno do espectro do autismo (ASD) e também em crianças neurotípicas (sem ASD). Esta é a conclusão feita por pesquisadores do Hôpital Rivière-des-pradarias, afiliado com o Instituto Universitário de Saúde Mental de Montreal e Universidade de Montreal.

Para um artigo publicado no International Journal of Psycophysiology, os pesquisadores observaram as medidas de EEG de 13 crianças autistas e 13 crianças neurotípicas, estas últimas com idade média de 10 anos de idade, sem deficiência intelectual ou problema de sono e que não faziam uso de medicação, e descobriram que as interrupções nas ondas protetoras cerebrais durante o sono estão associadas com resultados inferiores em testes de QI verbais.

 

As ondas cerebrais indicando uma boa consolidação do sono nessas crianças foram medidas em laboratório. Esses marcadores de sono leve, conhecidos como “fusos do sono”, ocorrem durante uma fase do sono que se repete durante toda a noite em que o metabolismo do corpo diminui e o cérebro descansa (ao contrário do sono REM, quando o cérebro está ativo e sonha).

 

“Observamos que, quanto mais uma criança tinha essas ondas ao longo da noite, melhor a criança era em tarefas cognitivas, particularmente a Escala de Inteligência Wechsler para Crianças”, explicou Sophie Tessier, uma estudante de doutorado no Laboratório de Pesquisa do Sono no Hôpital Rivière-des-Pradarias e primeira autora do estudo.

 

Parece também que a qualidade do sono ao longo de toda a noite, e não apenas antes da meia-noite ou no final da noite, promove bom funcionamento intelectual. Estas observações aplicam-se para ambos os grupos de crianças. No entanto, apesar dessas semelhanças, os pesquisadores observaram que a relação entre essas ondas de sono e o desempenho cognitivo difere entre crianças neurotípicas e autistas, desde que diferentes regiões do cérebro estão envolvidas para cada grupo.

 

“Esta é uma descoberta importante que confirma o importante papel do sono na consolidação de habilidades cognitivas”, explicou Roger Godbout, diretor do Laboratório de Pesquisa do Sono no Hôpital Rivière-des-Pradarias e professor do Departamento de Psiquiatria da Universidade de Montreal. “Sem dúvida, este estudo estabelece que crianças e adolescentes sejam particularmente afetados pela falta de sono, especialmente porque estão em um período de desenvolvimento importante. E também é um achado importante, dado que 10 a 25% das crianças e adolescentes canadenses e 45 a 85% das crianças autistas têm problemas de sono.”

 

Embora este trabalho confirme o papel crucial do sono no desenvolvimento cognitivo, também abre caminho a um tratamento mais preciso para distúrbios do sono na juventude e dá esperança para qualquer um que vive com autismo, graças a novos caminhos, tanto para tratar a insônia quanto para ajudar essas crianças a desenvolver plenamente as suas capacidades.

Fonte: http://www.sciencedaily.com/releases/2015/05/150528123855.htm

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”