Pesquisadores da University of Texas Medical Branch, University of Kentucky e University of Maryland descobriram que, para pessoas com 60 anos de idade ou mais, e que não apresentam demência, o consumo leve de álcool está associado com uma maior memória episódica – a capacidade de recordar eventos.

O consumo moderado de álcool também foi associado com um maior volume no hipocampo, uma região do cérebro crítica para a memória episódica. A relação entre o consumo leve de álcool e a memória episódica desaparece, se o volume do hipocampo é contabilizado, fornecendo novas evidências de que o funcionamento do hipocampo é o fator crítico para essas melhorias. Estes resultados foram detalhados no American Journal of Alzheimer’s Disease and Other Dementias.

Esse estudo utilizou dados de mais de 660 pacientes do Framingham Heart Offspring Study Cohort. Estes pacientes completaram pesquisas sobre o consumo de álcool e demografia, uma bateria de avaliações neuropsicológicas, a presença ou ausência de fatores de risco da variante e4 do gene APOE da doença genética de Alzheimer e ressonância magnética de seus cérebros. Os pesquisadores descobriram que a luz e o consumo moderado de álcool em pessoas idosas estão associados a uma superior memória episódica e maior volume cerebral do hipocampo. A quantidade de consumo de álcool não teve impacto sobre a função executiva ou a capacidade mental geral.

Os resultados de estudos realizados em animais sugerem que o consumo moderado de álcool pode contribuir na preservação do hipocampo, promovendo ali a geração de novas células nervosas. Além disso, expondo o cérebro a quantidades moderadas de álcool pode aumentar a liberação de substâncias químicas do cérebro envolvidas com a cognição, ou processamento de informações.

“Não houve diferenças significativas no funcionamento cognitivo e volumes cerebrais regionais no período mais tardio da vida em função do estado de consumo de álcool na meia-idade,” relatou o autor Brian Downer, pós doutorando do UTMB Sealy Center on Aging. “Isto pode ser devido ao fato de que os adultos capazes de continuar a consumir álcool na idade avançada são mais saudáveis e, portanto, têm maior cognição e maiores volumes cerebrais regionais, do que as pessoas que tiveram que diminuir seu consumo de álcool devido a resultados de saúde desfavoráveis.”

Embora ser consistentemente relatado os benefícios potenciais do consumo leve a moderado de álcool para a aprendizagem cognitiva e da memória durante o período mais avançado na vida, longos períodos de abuso do álcool, muitas vezes definido como cinco ou mais doses alcoólicas por dia, é conhecido por ser prejudicial ao cérebro.

 

Traduzido por Essentia Pharma

Fonte: http://www.sciencedaily.com/releases/2014/10/141023092031.htm?utm_campaign=normal&utm_source=twitter&utm_medium=social

Os artigos aqui postados não necessariamente expressam a visão da Empresa.