Há muitas razões para os médicos sofrerem de estresse e fadiga. Um dos motivos menos mencionados é que muito do que fazemos é desnecessário. Nos EUA, na terra do excesso, profissionais da saúde, especialmente os cardiologistas, passam a maior parte do tempo tratando seres humanos que não precisavam estar doentes. Vamos ser claros e honestos: as doenças relacionadas com o estilo de vida são em grande parte desnecessárias. Hoje em dia, há tanta doença desnecessária que os profissionais de saúde, raramente enxergam.

Nós olhamos para a obesidade e, em seguida, diretamente para o número do colesterol e ECG. Então, pegamos o bloco de receitas para prescrevermos o medicamento… Só em lembrar já me causa angústia. Um paciente é encaminhado para ablação de FA para o tratamento de FA sintomática. Na verdade, ele tem muitos episódios de FA, mas ele também bebe em excesso, pesa 136 kilos e se recusa a usar a máscara de apneia do sono. Você se recusa a fazer um procedimento de $ 100.000 e em breve a reputação se materializa: você é muito conservador.  Meus colegas da cardiologia intervencionista sofrem mais. Eles são despertados do sono ou chamados durante seu tempo em família para salvar as pessoas de ataques cardíacos, em sua maioria, desnecessárias (MIS). Uma maneira de ver o coro de PCI de emergência (intervenção coronária percutânea) para o tratamento de infarto agudo do miocárdio é com admiração. Outra é com absoluta frustração, porque na maioria dos casos seria desnecessário.

O estudo:

Um estudo prospectivo de base populacional recente com homens suecos sugeriu que (quase) quatro de cinco infartos em homens poderia ser evitável. (Você leu corretamente. Isso não é um erro de digitação.) Os pesquisadores do Instituto de Medicina Ambiental em Estocolmo, Suécia, seguiram 20.721 homens de 1997 a 2009. Eles especificamente requisitaram cerca de cinco comportamentos de vida modificáveis: uma dieta saudável, consumo moderado de álcool, não fumar, ser fisicamente ativo e não ter gordura abdominal (baseado na circunferência da cintura). Houve 1.361 casos de MI, no período de acompanhamento de 11 anos.

O jornalista do Heartwire, Michael O’Riordan, repescou os detalhes do estudo no Medscape | Cardiologia. Em resumo, cada um dos cinco comportamentos de baixo risco, independentemente reduziu a chance de ter um ataque cardíaco. O não fumar foi o redutor de risco mais forte. Homens que combinaram todos os cinco comportamentos foram 86% menos propensos do que aqueles que não tinham comportamentos para um ataque cardíaco.

O chamado: eu percebo que as pessoas sabem que o estilo de vida é importante na prevenção de doenças cardíacas. É tão óbvio que nós (pacientes e médicos) nos tornamos insensíveis a esse fato. Mas quando paramos por um momento e pensamos sobre a descoberta de que quatro dos cinco ataques cardíacos poderiam ser evitados com simples mudanças de estilo de vida… Isso é um pouco demais.

Meu colega eletrofisiologista Dr. Prash Sanders (Adelaide, Austrália) está na frente de um público de médicos e diz que modificações de fatores de risco, tais como perda de peso e controle da pressão arterial, são fáceis. A palavra-chave, diz ele, é motivação. O desafio para os profissionais de saúde, especialmente nós cardiologistas, é parar de reprimir a ideia de que a doença cardíaca não pode ser evitada, que as pessoas não vão fazê-lo. A primeira definição do substantivo motivação é a razão ou razões que uma pessoa possui para agir ou se comportar de uma maneira particular. Esse é o nosso trabalho como profissionais da área da saúde. Minha experiência em clínica de FA nos últimos anos é que as pessoas podem mudar: Eu postei os estudos de estilo de vida na sala de exame e discuto a biologia da doença e como o estilo de vida refere-se aos átrios com meus pacientes. Mostro que o AF (em grande parte) é desnecessário e falo sobre estiramento atrial e fibrose, rotores e inflamação.

Nós podemos fazer o mesmo com a doença vascular, diabetes e pressão arterial elevada. Ser ativo, comer bem, não fumar e carregar menos gordura corporal funciona porque afeta favoravelmente o estresse oxidativo, a inflamação, a função endotelial, a sensibilidade à insulina e pressão arterial. Estas são as razões por que as pessoas devem comer menos, se mover mais e reduzir o número do cinto. Razões e expectativas igualam a motivação. A fruta madura está logo ali. Eu digo que devemos estender a mão e agarrá-la. Só de pensar em fazer menos coisas desnecessárias para doenças desnecessárias, já acalma. JMM

Traduzido por Essentia Pharma

Fonte: October 3, 2014 By Dr John 7 CommentsFiled Under: AF ablation, Doctoring, Exercise, General Medicine, Healthy Living,Nutrition 

Os artigos aqui postados não necessariamente expressam a visão da Empresa.