O declínio progressivo da massa e função muscular levanta preocupações frente ao crescente envelhecimento da população. A dieta e a atividade física são importantes para a manutenção muscular, mas esses requisitos nem sempre são bem atingidos, o que torna a suplementação nutricional uma potencial estratégia de auxílio.

 

Com este raciocínio em mente, um estudo publicado em Nutrition & Metabolism fundamentou sua pesquisa na união de três compostos já comprovadamente evidenciados – de forma isolada –  com benefícios para o metabolismo muscular, sob diferentes aspectos:

 

A L-carnitina, é um aminoácido encontrado predominantemente no músculo esquelético e sintetizado endogenamente no fígado e nos rins. Ela é necessária para o metabolismo energético a partir de substratos, como gordura, carboidratos e proteínas, e seu principal papel é o transporte de ácidos graxos de cadeia longa para a matriz mitocondrial. Além disso, a L-carnitina já mostrou aumentar a biossíntese de proteínas, economizando o uso de aminoácidos para a produção de energia, e suprimir os genes responsáveis pela degradação da proteína no músculo esquelético, além de outros benefícios.

 

A L-leucina, um aminoácido ramificado, em combinação com a proteína do soro de leite, mostrou estimular ou iniciar a síntese de proteínas musculares. Esses efeitos foram mediados por um aumento da fosforilação do mTOR e/ou seus substratos. Curiosamente, em estudos com suínos, a suplementação de L-carnitina aumentou significativamente a biodisponibilidade da L-leucina de forma dependente da dose.

 

A creatina, um composto bioenergético importante no metabolismo muscular, é encontrada especialmente em carnes e é sintetizada endogenamente a partir dos aminoácidos glicina, metionina e arginina no fígado, nos rins e no pâncreas. No entanto, o sistema de creatina/fosfocreatina, responsável pela manutenção do ATP intracelular para uso imediato durante a contração muscular, é deficiente na população mais velha. Como suplemento dietético, a creatina promove a síntese das proteínas musculares e aumenta a biodisponibilidade da L-leucina de forma aguda, diminuindo sua oxidação.

 

O estudo:

Quarenta e dois adultos saudáveis com idades entre 55 e 70 anos foram randomizados para receber durante oito semanas:

Grupo 1: combinação L-carnitina (1.500 mg), L-leucina (2.000 mg), creatina (3.000 mg), vitamina D3 (10 μg) (n = 14)

Grupo 2: somente L-carnitina (1.500 mg) (n = 14)

Grupo 3: placebo (n = 14)

 

Na linha de base e após oitos semanas de intervenção, foram avaliados a massa corporal por DXA, força superior e inferior por dinamometria, e distância a pé por um teste de caminhada de 6 minutos. Essas medidas, que refletem os três fatores característicos da sarcopenia (massa muscular, força funcional e mobilidade), foram combinadas para gerar um escore composto. A qualidade de vida, marcadores sanguíneos e biópsias musculares para análises de biomarcadores de proteínas também foram conduzidos na linha de base e no final do estudo.

 

Os resultados mostram que, comparados com o grupo placebo, o grupo 1 (combinação carnitina) mostrou uma melhora do conjunto analisado de 63.5% (P=0.013). No entanto, o grupo 2 (somente carnitina) também obteve resultados quase tão positivos em comparação com o grupo placebo (P=0.232) durante o período estudado.

 

Os participantes suplementados com a combinação L-carnitina mostraram um aumento de 1,0 kg na massa muscular total magra (P = 0,013), massa muscular magra da perna (0,35 kg, P = 0,005) e aumento de 1,0 kg na força da perna (P = 0,029) na semana 8. Além disso, esses aumentos foram significativos quando comparados ao grupo placebo (P = 0,034, P = 0,026 e P = 0,002, respectivamente). A expressão da proteína mTOR total foi aumentada nos participantes do grupo de combinação de L-carnitina no final do estudo em comparação com a linha de base (P = 0,017), em comparação com o grupo placebo (P = 0,039), sugerindo que o aumento da massa muscular e força foi devido à síntese proteica e à ativação da via mTOR.

 

“O produto combinado (L-carnitina, L-leucina e creatina) se mostrou seguro, bem tolerado e pode proporcionar um desempenho adicional quando usado por mais tempo, além do período de estudo de 8 semanas, em pessoas mais velhas”, concluíram os autores.

 

Traduzido por Essentia Pharma

Referência: Evans M, et al. Efficacy of a novel formulation of L-Carnitine, creatine, and leucine on lean body mass and functional muscle strength in healthy older adults: a randomized, double-blind placebo-controlled study. Nutrition & Metabolism. 2017. Doi:10.1186/s12986-016-0158-yess

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”