A obesidade entre as crianças tem se mostrado uma questão séria e crescente, especialmente na América do Norte. As estatísticas mostram que um terço das crianças nos Estados Unidos e no Canadá são obesas ou estão com excesso de peso. Se não tratadas cedo, isso pode se tornar um grande problema, pois a obesidade na adolescência é uma indicação de obesidade na idade adulta. Muitos tratamentos envolvem dietas restritivas que podem funcionar para adultos, mas são menos eficazes em crianças, pois podem reduzir a ingestão de macronutrientes, reduzir a energia das crianças e, por sua vez, promover ganho de peso através da compulsão alimentar.

 

Portanto, Hume et al. sugeriram que a suplementação prebiótica pode ser uma maneira eficaz de controlar o apetite, o consumo de energia, estimular os hormônios de saciedade (hormônios que satisfazem a fome) em crianças com excesso de peso ou obesas. Os prebióticos são derivados fibras vegetais especiais que nutrem as boas bactérias que habitam o cólon ou intestino grosso. Em comparação com os probióticos que introduzem boas bactérias no intestino, os prebióticos funcionam como alimento, ajudando-as a crescer, e resultando em uma melhor proporção de bactérias boas para ruins.

 

Para testar esta hipótese, recentemente a equipe publicou seu ensaio clínico randomizado, duplo-cego e controlado com placebo no American Journal of Clinical Nutrition (AJCN). O estudo consistiu de 38 participantes designados para dois grupos: 20 no grupo prebiótico (10 meninos e 10 meninas), e 18 no grupo placebo (7 meninas e 11 meninos). Os participantes tinham idade entre 7 e 12 anos, com índice de massa corpórea (IMC) maior ou igual a 85 percentil durante 2014 e 2015. Um grupo recebeu 8 gramas de inulina enriquecida com oligofrutose (um prebiótico encontrado em vegetais como alcachofra) e o outro grupo recebeu placebo (maltodextrina), diariamente durante 16 semanas. A dose de prebiótico e placebo foi aumentada ao longo de um período de 2 semanas para permitir a adaptação à fibra e minimizar os sintomas gastrointestinais.

 

O resultado primário foi o efeito dos prebióticos sobre o apetite (hormônios de saciedade, valores de apetite e ingestão alimentar) e o resultado secundário foi a pontuação Z do IMC. Desde que o estudo analisou os efeitos da suplementação prebiótica independente da dieta ou exercício, os participantes foram capazes de comer e beber o que escolhessem. Entretanto, suas dietas também foram registradas e analisadas através de software associado. Adicionalmente, foram colhidas amostras de sangue no final do estudo para análise do hormônio de saciedade.

 

Os dados mostraram uma correlação positiva do suplemento prebiótico e controle de peso. Em termos de energia, no grupo prebiótico a ingestão energética foi reduzida em relação ao grupo placebo, onde foi aumentada. No entanto, a magnitude da ingestão de energia entre os dois grupos não foi significativamente diferente. Quando o apetite foi analisado, verificou-se que ao longo das 16 semanas, o grupo prebiótico reduziu a quantidade de alimento que consumia normalmente no buffet do café da manhã. Além disso, os participantes do grupo prebiótico relataram sentir-se significativamente “mais satisfeitos” após a refeição do café da manhã na 16ª semana em oposição ao grupo placebo. Outros resultados significativos mostraram que o grupo prebiótico tinha uma pontuação Z do IMC reduzida de 3,4% em comparação com uma redução de 0,49% para o grupo placebo.

 

Com base nos resultados, os prebióticos podem ajudar a melhorar o controle do apetite em termos de obesidade pediátrica. A única limitação deste estudo foi o uso de registros de alimentos relatados pelos pais para medir a ingestão de energia, causando algumas inconsistências nos dados. De qualquer maneira, este estudo fornece uma introspecção importante, pois pode ajudar reduzir as taxas da obesidade da infância e do adulto, tendo por resultado menos problemas de saúde.

Traduzido por Essentia Pharma

 

Fonte: https://www.medicalnewsbulletin.com/prebiotic-supplements-improve-obesity-children/

 

“As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não devem ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas específicas. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro prestador de cuidados de saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. As informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura por causa de algo que tenha lido em nosso site e mídias sociais da Essentia.”