Um novo estudo descobriu que “gordura magra” – uma combinação de baixa massa muscular e força no contexto de alta massa gorda – pode ser um importante preditor do desempenho cognitivo em adultos mais velhos. Embora a sarcopenia, a perda de tecido muscular que faz parte do processo natural de envelhecimento, bem como a obesidade, tenham um impacto negativo na saúde geral e na função cognitiva, sua coexistência representa uma ameaça ainda maior, superando seus efeitos individuais.

Publicado na revista Clinical Interventions in Aging, o estudo foi conduzido por pesquisadores do Centro Compreensivo para a Saúde do Cérebro da Universidade Florida Atlantic, na Faculdade de Medicina Charles E. Schmidt. Usando dados de uma série de estudos em comunidades sobre envelhecimento e memória (353 participantes), os pesquisadores avaliaram a relação entre obesidade sarcopênica ou gordura magra com o desempenho em vários testes de cognição.

A idade média dos participantes foi de 69. Os dados incluíram uma visita clínica, testes cognitivos válidos, como o “Montreal Cognitive Assessment” e nomeação de animais; testes funcionais, como força de preensão e se levantar de cadeiras; e medidas de composição corporal (massa muscular, índice de massa corporal, porcentagem de gordura corporal).

Obesidade, sarcopenia e idosos
Os resultados do estudo mostram que a obesidade sarcopênica ou “gordura magra” foi associada com menor desempenho na cognição global, seguido por sarcopenia por si só e, em seguida, apenas obesidade. Obesidade e sarcopenia foram associadas com menor função executiva, como memória de trabalho, flexibilidade mental, autocontrole e orientação, quando avaliadas independentemente e ainda mais quando ocorriam juntas.

Usando um desenho transversal, os pesquisadores encontraram evidências consistentes para vincular a obesidade sarcopênica ao baixo desempenho cognitivo global nos participantes do estudo. Esse efeito é melhor capturado pelo seu componente sarcopênico com obesidade, provavelmente tendo um efeito aditivo; er também se estende a habilidades cognitivas específicas, em particular a função executiva.

“A sarcopenia tem sido associada ao comprometimento cognitivo global e disfunção em habilidades cognitivas específicas, incluindo memória, velocidade e funções executivas”, disse o autor sênior James E. Galvin, MD, MPH, um dos mais proeminentes neurocientistas dos EUA.

“Compreender os mecanismos pelos quais esta síndrome pode afetar a cognição é importante, pois pode ajudar nos esforços para prevenir o declínio cognitivo na vida adulta, visando grupos de risco com um desequilíbrio entre massa magra e gorda. Eles podem se beneficiar de programas que abordam a perda da função cognitiva através da manutenção e melhoramento da força e prevenção da obesidade.”

De olho na composição corporal dos mais velhos: efeitos da obesidade e sarcopenia

A obesidade pode contribuir para o risco de comprometimento da função executiva por meio de mecanismos vasculares, comportamentais, metabólicos e inflamatórios. E a obesidade pode resultar de uma redução do controle de impulsos, do automonitoramento e do comportamento direcionado a objetivos em indivíduos com função executiva prejudicada, com efeito negativo na capacidade para manter o equilíbrio energético. Os mecanismos exatos que ligam a obesidade à disfunção cognitiva ainda estão por ser determinados, embora várias vias, incluindo comportamento sedentário, inflamação e dano vascular, tenham sido propostas.

A sarcopenia, por sua vez, tem sido associada a deficiências em habilidades relacionadas à resolução de conflitos e atenção seletiva. A função executiva é reduzida em adultos mais velhos obesos, sendo que a melhora na função muscular tem sido associada ao aumento da função executiva nos mesmos.

Galvin e suas colaboradoras no estudo, Magdalena I. Tolea, Ph.D., professora assistente de pesquisa em ciências médicas integradas, e Stephanie Chrisphonte, MD, professora assistente de pesquisa em ciências médicas integradas, ambas da Faculdade de Medicina Schmidt da FAU, advertem que alterações na composição corporal, incluindo uma mudança para maior massa gorda e diminuição da massa muscular magra representam uma preocupação de saúde pública significativa entre os adultos mais velhos, pois podem levar a vários desfechos negativos à saúde, incluindo doenças cardiovasculares e neurodegenerativas.

“A sarcopenia por si só ou na presença de obesidade, pode ser usada na prática clínica para estimar o risco potencial de comprometimento cognitivo”, afirmou Tolea. “Testar a força de preensão pela dinamometria pode ser facilmente administrado dentro dos limites de tempo de uma consulta clínica, e o índice de massa corporal é geralmente coletado como parte das visitas anuais de bem-estar.”